terça-feira, 23 de maio de 2017

143º dia, Nossa Senhora Peregrina


Por Deiber Nunes Martins
A devoção a Nossa Senhora Peregrina começou em Keckemet, na Hungria. Numa tarde de 1936, Maria, uma menina de 13 anos, se viu diante da Virgem Maria, que se aproximou dela, dizendo:
“Talvez eu seja acolhida nesta casa. Até agora não encontrei nenhuma hospitalidade, mesmo tendo pedido algumas vezes. Creio que esta porta seja a certa. Posso ficar por uma noite apenas, para dormir sentada numa cadeira?”
A menina disse sim a Senhora, antes mesmo de perguntar a seus pais. E Nossa Senhora passou a noite com ela, as duas conversando. No dia seguinte, foram juntas à Igreja. O olhar sereno da Virgem Maria, impressionava à menina, que alguns anos depois tornou-se freira e continuou a ter visões de Nossa Senhora.
Maria é conhecida também como Mãe Peregrina, pois sua imagem percorre diversos lugares do mundo. O diálogo da Mãe de Jesus com a menina húngara mostra seu desejo em visitar seus filhos, sendo recebida por eles. Assim, ela percorre o mundo , visita e permanece nos lugares onde recebe pousada. Como se pode ver, não é preciso muito para poder receber Nossa Senhora. Ela pediu uma simples cadeira para dormir sentada! O essencial é abrir as portas a Maria.
OREMOS:
Mãe Peregrina, que nossas portas sempre estejam abertas para ti. Que nunca o nosso coração se feche à vossa visita. Sabemos que és a Mãe de Nosso Senhor e por isso a veneramos e a queremos junto a nós. Precisamos da tua serenidade, oh Mãe, em nossos lares! Precisamos do teu olhar amoroso, nas nossas vidas! Necessitamos e muito, Virgem Mãe, do teu silêncio diante dos ruídos desse mundo. Venha a nossa casa, oh Maria e fica conosco! Nossa casa é tua, Mãe Peregrina!
Nossa Senhora Peregrina, rogai por nós!
REFERÊNCIA:
ZANON, Frei Darlei. Nossa Senhora de Todos os Nomes. Orações e história de 260 títulos marianos. São Paulo: Ed. Paulus, 2005.



segunda-feira, 22 de maio de 2017

142º dia, Nossa Senhora de Montserrat


Por Deiber Nunes Martins
A história de Nossa Senhora de Montserrat é bem distinta e gera diversos relatos ao longo do tempo. Diz a tradição que a imagem mariana teria sido levada a Barcelona pelo Apóstolo Pedro. E já no século VI, a imagem era venerada pelos fiéis naquela cidade. Todavia, neste mesmo século, os mouros, invadindo a Espanha, fizeram com que cristãos piedosos, receando que profanassem as imagens devocionais, esconderam aquela imagem de Nossa Senhora, numa caverna recôndita nas montanhas da Catalunha.
Acredita a tradição que, passados dois séculos, quis o Céu que a humanidade reencontrasse a belíssima imagem da Mãe de Deus. Num dia de sábado, no final do mês de abril, alguns pastores de rebanhos avistaram no céu estrelas mais brilhantes que o sol e um coro de vozes angélicas, que vinha das montanhas. Entre espanto e admiração, os pastores foram até seus patrões que contaram o fato ao pároco da região. Este, relatou-o ao bispo e o bispo, ao prefeito de Barcelona. Todos eles, subiram com dificuldade a íngreme montanha, indo na direção dos cantos e das luzes. Ao final da subida, encontraram uma caverna escondida e nela, a imagem de Maria, enegrecida pela ação do tempo. A imagem de Nossa Senhora negra, mostra Maria sentada com o Menino Jesus no colo e a mão direita erguida.
Em júbilo, os homens organizaram uma romaria para levar a imagem à Manresa, uma cidade vizinha a Barcelona. Num dado ponto da caminhada, a imagem ganhou um peso descomunal e ninguém mais conseguiu movê-la. Entenderam então que a imagem deveria permanecer ali e construíram um Santuário a ela.
Montserrat, que quer dizer “monte serrado”, fica nas montanhas da Catalunha, Espanha. A Virgem de Montserrat é conhecida pelos catalães como a Estrela do Oriente e chamada carinhosamente de Virgem Morena.
O Papa Leão XIII declarou Nossa Senhora de Montserrat a padroeira da Catalunha.
OREMOS:
Nossa Senhora de Montserrat, padroeira do povo da Catalunha, vós sois escolhida para acolher aos anseios dos catalães. Abençoa este povo e sua busca por emancipação política. Olhai por toda a Espanha e pelos espanhóis, para que reavivem sua fé e consigam vencer a onda de secularismo que oprime toda a Europa.
Nossa Senhora de Montserrat, rogai por nós!
REFERÊNCIAS:
ZANON, Frei Darlei. Nossa Senhora de Todos os Nomes: Orações e História de 260 Títulos Marianos. São Paulo: Ed. Paulus, 2014.

Portal A12 – Academia Marial de Aparecida. Disponível em http://www.a12.com/santuario-nacional/formacao/detalhes/nossa-senhora-de-montserrat, acessado em 23 de maio de 2017 às 10h52min.

domingo, 21 de maio de 2017

141º dia, Nossa Senhora do Leite



Por Deiber Nunes Martins
A imagem de Nossa Senhora do Leite traz Maria amamentando o Menino Jesus. Pode aparecer sentada ou em pé. Importante ressaltar esse traço da vida de toda mãe: a amamentação. O ato mais íntimo de uma mãe para com seu filho é dar-lhe o alimento, no caso o leite materno. Fonte de vida e prevenção de muitas doenças na infância, o leite materno é um sinal genuíno de amor de mãe.
Segundo a tradição, em fuga para o Egito, Maria parou diante de uma gruta, para amamentar Jesus. Ao amamentar seu Filho, um pouco de leite teria espirrado numa pedra que teria se embranquecido. A partir daí, as mães criaram o costume de raspar a pedra e dela extrair o seu pó branco para misturá-lo a água e dar volume ao leite. Por conta desse fato é que se diz que a devoção a Nossa Senhora do Leite tenha se originado na Palestina, nas proximidades de Belém.
Ao longo do tempo, a imagem de Maria amamentando Jesus passou a ser explorada pelos artistas, sobretudo os renascentistas do final da Idade Média. E cada vez mais, as imagens tomaram um caráter menos intimista e mais expressivo, retratando o contexto humano da maternidade.
OREMOS:
Virgem Soberana, tens a propriedade de ensinar a teus filhos até nos atos mais singelos e corriqueiros da vida humana. O ato de amamentar Teu Filho é sinal para nós do carinho e do amparo com que cuidastes de Jesus e que também cuidas da humanidade. Que saibamos diante de vossa experiência materna, dar sentido às nossas relações humanas, amando mais e respeitando mais nossos semelhantes. Que o dom da maternidade seja reavivado nas mulheres, para que elas sintam-se plenamente realizadas com seus filhos. Que também a família, retire desse vosso ato, sentido e força na luta diária.
Nossa Senhora do Leite, rogai por nós!
REFERÊNCIAS:
BISINOTO, Pe. Eugênio. Conheça os Títulos de Nossa Senhora. Aparecida, SP: Ed. Santuário, 2010.
ZANON, Frei Darlei. Nossa Senhora de Todos os Nomes: Orações e História de 260 Títulos Marianos. São Paulo: Ed. Paulus, 2014.


sábado, 20 de maio de 2017

140º dia, Nossa Senhora do Horto


Por Deiber Nunes Martins
A pequena Chiavari, situada nas proximidades de Gênova, na Itália, no final do século XV, sofreu com a epidemia de peste. Foi quando uma senhora devota de Nossa Senhora, de nome Maria Turchina, fez uma promessa à Virgem de que construiria um altar pra ela, se a doença não atingisse sua casa.
Nossa Senhora atendeu seu pedido e a senhora pediu a Benedetto Borzone que pintasse a imagem da Mãe de Jesus junto a São Sebastião e São Roque. O artista pintou a imagem no altar da Igreja e posteriormente num muro do horto da cidade, numa praça, em um local de muito movimento de pessoas.
A imagem mariana retrata a Virgem segurando o Menino Jesus com a mão esquerda, enquanto a mão direita abençoa a cidade e aqueles que por ali passavam. As pessoas passaram a chamar a imagem de Madonna dell’ Horto, que quer dizer Nossa Senhora do Horto. Por volta de 1528, a epidemia de peste voltou a assolar a cidade, mas as pessoas tornaram-se ainda mais devotas a Nossa Senhora. E rezavam diante da imagem, que mesmo apesar das intempéries enfrentadas como chuva, sol e a brisa do mar, mantinha-se incólume sem nenhum dano à pintura, que mantinha sua tonalidade original.
Em 1769, a imagem de Nossa Senhora do Horto foi solenemente coroada.
OREMOS:
Senhora do Horto, dá-nos resiliência suficiente para suportar todas as intempéries deste mundo. Que fiéis aos ensinamentos do Vosso Filho, não nos deixemos levar pelo egoísmo e pela ganância desmedida, que fazem com que as injustiças se proliferem em nosso meio como uma epidemia devastadora. Que tenhamos sempre o vosso exemplo como guia de comportamento, de modo a nos afastarmos completamente dos pecados deste mundo.
Nossa Senhora do Horto, velai por nós!
REFERÊNCIAS:
ZANON, Frei Darlei. Nossa Senhora de Todos os Nomes: Orações e História de 260 Títulos Marianos. São Paulo: Ed. Paulus, 2014.
Blog “O Jovem no Caminho”. Disponível em http://ojovemnocaminho.blogspot.com.br/2015/12/senhora-do-horto-em-1943-na-italia-teve.html último acesso em 19 de maio de 2017 às 11h29min.


sexta-feira, 19 de maio de 2017

139º dia, Nossa Senhora de Salambao


Por Deiber Nunes Martins
A devoção a Nossa Senhora de Salambao, nasceu na cidade de Obando, nas Filipinas. Dois pescadores, após um dia de pesca, recolheram em suas redes a imagem de Nossa Senhora. Partiram então para a cidade de Navota, onde tentaram retirar do barco a imagem e não tiveram sucesso. De Navota foram para Polo, onde também não conseguiram retirar do barco a imagem. Voltaram então para Obando, onde finalmente conseguiram retirar a imagem de Nossa Senhora.
A partir de então, uma grande festa religiosa, um tríduo, passou a ser celebrado nos dias 17, 18 e 19 de maio. Nesses dias, celebra-se em honra a Santa Clara, que é a padroeira da infância; a São Pascoal, modelo das virtudes religiosas e a Nossa Senhora de Salambao, padroeira dos pescadores. Invoca-se a Virgem de Salambao quando se quer uma pesca abundante.
OREMOS:
Oh minha Senhora e também, minha Mãe. Eu me ofereço inteiramente todo a Vós. E em prova da minha devoção, eu hoje vos dou meu coração.
Consagro a Vós meus olhos, meus ouvidos, minha boca. Tudo o que sou, desejo que a Vós pertença.
Incomparável Mãe, guardai-me, defendei-me. Como coisa e propriedade Vossa. Amém.
Nossa Senhora de Salambao, rogai por nós!

REFERÊNCIA:

ZANON, Frei Darlei. Nossa Senhora de Todos os Nomes – Orações e História de 260 Títulos Marianos. São Paulo: Ed. Paulus, 2014.

quinta-feira, 18 de maio de 2017

138º dia, Nossa Senhora de Kazan

Por Deiber Nunes Martins
Ícone bizantino pintado no século XIII, Nossa Senhora de Kazan, tem esse nome por conta da cidade em que se encontra: Kazan, na Rússia. A imagem é a Virgem segurando o Menino que lhe dá a benção.
Em 1 de outubro de 1552, o exército do czar Ivan, o terrível tomou a cidade de Kazan, que até aquele momento pertencia ao reino Tártaro. Vitorioso na guerra, o czar mandou construir uma basílica em honra a Anunciação de Nossa Senhora.
Anos mais tarde, em 1579, a cidade de Kazan foi destruída por um incêndio. A Virgem Maria apareceu a uma menina de 9 anos e mandou-a escavar as ruínas da Igreja, para resgatar o ícone, que estava intacto no meio das cinzas. A imagem mariana foi encontrada e transladada para a Catedral da Anunciação de Kazan.
Tal milagre fez com que aumentassem as peregrinações e a veneração à Virgem.
No início do século XX, o ícone de Nossa Senhora de Kazan desapareceu durante uma revolta popular. Foi reencontrado 70 anos depois, numa exposição de arte nos Estados Unidos. Uma organização católica mariana, adquiriu a imagem e a entronizou na Capela Bizantina em Fátima. Em 1993, o ícone foi entregue ao Papa João Paulo II que guardou a imagem consigo até ter a oportunidade de entrega-la ao patriarca da Igreja Ortodoxa Russa, Alexis II.
O que finalmente aconteceu em 28 de agosto de 2004, quando então o ícone passou a ser venerado por todo o patriarcado de Moscou.
OREMOS:
Nossa Senhora de Kazan, olhai pelos vossos devotos, sobretudo os doentes nas casas, asilos e hospitais. Abençoa o povo russo, assim como toda a Europa, livrando toda essa nação das ameaças de terrorismo e outros flagelos.
Nossa Senhora de Kazan, rogai por nós!
REFERÊNCIAS:
ZANON, Frei Darlei. Nossa Senhora de Todos os Nomes: Orações e História de 260 Títulos Marianos. São Paulo: Ed. Paulus, 2014.
Site Ecclesia, da Sacra Arquidiocese Ortodoxa de Buenos Aires. Disponível em https://www.ecclesia.com.br/biblioteca/iconografia/o_milagroso_icone_da_virgem_de_kasan.html último acesso em 18 de maio de 2017 às 18h18min.



quarta-feira, 17 de maio de 2017

137º dia, Nossa Senhora de Razecueillé



Por Deiber Nunes Martins
Razecueillé é uma aldeia de difícil acesso, situada no sul da França, na região dos Pirineus. A história da devoção à Virgem de Razecueillé vem sendo transmitida ao longo do tempo, de geração a geração. E segundo os relatos, um senhor de Aspet, situada próximo a Razecueillé, foi informado que os sarracenos espanhóis estavam à caminho daquela região e devastariam tudo o que encontrassem no caminho.
Assustado, disse aquele senhor: “Santíssima Virgem, se vós me derdes a vitória sobre nossos comuns inimigos, mandarei erigir, em vossa honra, uma capela aqui neste lugar”. O lugar era Razecueillé.
Muito agrada a Virgem Maria, que se construam capelas em sua honra, porque uma capela de Nossa Senhora, leva o povo a rezar. Talvez por conta disso e por meio da Providência Divina, a súplica daquele senhor foi atendida, e cumpriu a promessa que fizera. A capela foi construída, e à imagem de Nossa Senhora que colocaram nela, deram o nome de Nossa Senhora de Razecueillé.
A partir de então, em todas as festas de Nossa Senhora, são feitas peregrinações à esta Igreja.
OREMOS:
Maria medianeira, atende ao clamor de vossos filhos. Afastai-nos do pecado e dá-nos força para combater o homem e a mulher velhos, que trazemos dentro de nós. Que em lugar desses, tenhamos o coração puro e fervoroso de amor e devoção a vós. Ajuda-nos na difícil caminhada de vida, mostrando-nos com vosso exemplo de santidade, por onde devemos seguir.
Nossa Senhora de Razecueillé, velai por nós!
REFERÊNCIA:
ADUCCI, Edésia. Maria e Seus Títulos Gloriosos. São Paulo: Ed. Loyola, 

terça-feira, 16 de maio de 2017

136º dia, Nossa Senhora de Gietrzwald


Por Deiber Nunes Martins
Situada a 200 quilômetros de Varsóvia, capital da Polônia, a cidade de Gietrzwald, possui uma igreja do século XIV, onde está exposto um ícone mariano belíssimo, feito no século XVI. Anos mais tarde, em 1877, a Virgem Maria apareceu durante três meses a duas meninas polonesas: Justina Szafrynska e Bárbara Samulowska, de 13 e 12 anos respectivamente.
As duas meninas eram amigas e se preparavam para receber a primeira comunhão, fato que ocorreu durante o período das aparições de Nossa Senhora, que foi de 27 de junho a 16 de setembro de 1877. Na primeira aparição, estava Justina caminhando diante da Igreja, na hora do Ângelus, portanto, às 18 horas, quando se deparou com Nossa Senhora sobre uma nuvem, vestida de branco com um véu azul e uma coroa de doze estrelas em volta da cabeça. Nas aparições seguintes, Justina estava acompanhada da amiga Bárbara. Dessa vez, Nossa Senhora apareceu com um Menino Jesus no colo e ele segurava um globo azul. Em todas as aparições, a Virgem Maria pedia que se rezasse o Santo Rosário todos os dias, pela libertação da Polônia.
O pároco de Gietrzwald, beato Weichslowi foi um dos que ouviram e acreditaram nos relatos das meninas e divulgou incessantemente as mensagens de Nossa Senhora que elas recebiam. Apesar disso, as aparições de Maria em Gietrzwald só foram reconhecidas pela Igreja, um século depois. Insatisfeito com a repercussão das aparições, o governo polonês passou a perseguir as meninas, que tiveram de fugir para Paris, onde se tornaram religiosas. Bárbara Samulowska saiu da França e foi para a Guatemala onde serviu em orfanatos e hospitais. Considerada Serva de Deus, Bárbara morreu em 1950, aos 85 anos. E aguarda seu processo de beatificação e canonização.
OREMOS:
Virgem Santa, a Polônia têm despertado para o mundo inúmeras vocações para a santidade. Da mesma forma que o espectro do comunismo assolou o país com o relativismo e o ateísmo, a devoção mariana rende ao mundo um fervor missionário sem igual, como demonstrado nas meninas de Gietrzwald e também em São João Paulo II. Fazei com que a humanidade siga o exemplo da fé polonesa e ofereça ao mundo novas vocações e santidades, preparadas para os embates cada vez mais incisivos entre aqueles que defendem Jesus e os que não conseguem compreendê-lo.
Nossa Senhora de Gietrzwald, rogai por nós!
REFERÊNCIAS:
ZANON, Frei Darlei. Nossa Senhora de Todos os Nomes: Orações e História de 260 Títulos Marianos. São Paulo: Ed. Paulus, 2014.

Blog “Nossa Senhora Mãe da Humanidade”. Disponível em http://nossasenhoradedivinopolis.blogspot.com.br/2014/05/aparicoes-de-nossa-senhora-em-gietrzwald.html, acessado em 15 de maio de 2017 às 16h30min.

segunda-feira, 15 de maio de 2017

135° dia, Nossa Senhora de Lampadosa


Por Deiber Nunes Martins
Lampadosa é uma ilha siciliana, banhada pelo Mar Mediterrâneo. Nos dias atuais, a ilha serve como colônia penal. Desta ilha, vieram para o Rio de Janeiro, alguns escravos que trouxeram uma imagem de Nossa Senhora do Rosário. Por isso, a Virgem de Lampadosa também é conhecida como a padroeira dos escravos.
Representada por Maria segurando o Menino Jesus em seu braço esquerdo, trazendo nas mãos uma pomba, representação do Espírito Santo, a imagem mariana serviu de motivação para a criação da irmandade de Lampadosa, formada inicialmente só por escravos. Esta confraria em honra a Nossa Senhora, rendeu a construção pelos escravos de uma tosca capela, onde depositaram a imagem. Por conta da origem da imagem, a capela passou a ser chamada de Capela de Lampadosa. Em 1748, com o auxílio do casal Pedro Coelho e Teresa de Jesus Almeida, construíram uma capela mais vistosa para a Mãe de Jesus.
Com o tempo, a confraria se tornou Ordem Terceira e reformou a capela, tornando-a mais agradável. Nesta igreja, segundo conta a história, Tiradentes teria participado de sua última missa antes de ser enforcado. Em 1930, a igreja em honra a Nossa Senhora de Lampadosa foi demolida, dando lugar a uma nova igreja.
De todos os feitos de Nossa Senhora Lampadosa, o maior foi o de evangelizar os escravos negros, que por meio dela, conheceram a Mãe de Deus.
OREMOS:
Virgem de Lampadosa, olhai pelos teus filhos que sofrem preconceito racial. Apaga de nosso tempo a intolerância e o racismo, flagelos que aprisionam o homem na irracionalidade. Dá- nos a sabedoria de acolher nossos irmãos, sem olharmos cor e raça.
Nossa Senhora Lampadosa, rogai por nós!
REFERÊNCIAS:
BISINOTO, Pe. Eugênio. Conheça os Títulos de Nossa Senhora. Aparecida, SP: Ed. Santuário, 2010.


domingo, 14 de maio de 2017

134° dia, Nossa Senhora da Evangelização


Por Deiber Nunes Martins
Presente do rei da Espanha, Carlos V, a imagem de Nossa Senhora da Evangelização chegou à cidade de Lima no Peru, em 1540. Por seu intermédio, o Evangelho foi levado a todo território peruano e ao longo da América Central, chegando até a Nicarágua. Entretanto àquela época, A Mãe de Deus não recebeu o título que hoje ostenta. O nome Nossa Senhora da Evangelização veio recentemente, numa homenagem feita a ela em razão dos grandes feitos obtidos na evangelização da América Latina.
Em visita ao Peru, em 1985, o Papa João Paulo II, declarou a Virgem da Evangelização, a padroeira deste país. Celebrando o feito, o pontífice, hoje santo da Igreja, colocou na imagem, uma rosa de ouro.
A Virgem da Evangelização, não só abriu as portas do continente americano à mensagem do Evangelho, como também é co-responsável pela independência peruana, em 1821. Naquele dia, tão logo o general San Martin declarou a independência, foi entoado solenemente o Te Deum, à Virgem Maria.
Sobre a padroeira do Peru, nos diz São João Paulo II: “Que Nossa Senhora da Evangelização nos acompanhe e guie no caminho da nova evangelização. Ajude-nos a sermos sempre testemunhas do Evangelho da salvação”.
OREMOS:
Mãe da Evangelização, abençoe o povo peruano. País de tantas belezas, de tamanha espiritualidade, o Peru, berço da civilização inca, também se fez morada a ti e a Vosso Filho. Por vosso intermédio, o Evangelho chegou a lugares distantes e a povos de culturas distintas às européias. E o Evangelho têm iluminado desde então, os povos da América Latina.
Hoje, Mãe, tão grandiosos são os desafios da evangelização. A dinâmica do mundo moderno, onde as pessoas vivem com pressa e o tempo é cada vez mais escasso, é mais um obstáculo à Palavra do Senhor. Entretanto, Mãe, sois bondosa e acolhes os anseios dos teus filhos. Ajuda-nos a evangelizar em meio ao novo milênio, as redes sociais e ao dinamismo da vida contemporânea. Ensina-nos a chegar ao coração das pessoas, do mesmo modo que chegastes ao coração do povo peruano.
Nossa Senhora da Evangelização, rogai por nós!

REFERÊNCIA:

ZANON, Frei Darlei. Nossa Senhora de Todos os Nomes: Orações e História de 260 Títulos Marianos. São Paulo: Ed. Paulus, 2014.

sábado, 13 de maio de 2017

133° dia, Nossa Senhora de Fátima




Por Deiber Nunes Martins
A vida de três crianças foi profundamente mudada, por Nossa Senhora. Foi há 100 anos atrás, quando, conforme as palavras da missionária da Canção Nova, Dijanira Silva: “O Céu visitou a terra”. Durante a primeira guerra mundial, em 13 de maio de 1917, no vilarejo de Fátima, pertencente ao distrito de Vila Nova de Ourem, na cidade de Santarém, em Portugal, a Virgem Maria apareceu a jovenzinha Lúcia de 10 anos e seus primos Francisco e Jacinta Marto de respectivos 9 e 7 anos.
As três crianças eram pastorinhas de ovelhas e pastoreavam suas ovelhas num lugar chamado Cova da Iria, bastante descampado, distante cerca de 3 quilômetros de Fátima. Então a Virgem Maria apareceu aos jovenzinhos do alto de um arbusto de ramos duros, chamado carrasqueira. Maria estava em cima da copa de uma carrasqueirinha, possuía uma beleza divinal e trajava um vestido branco como a neve, preso ao pescoço por um cordão de ouro, o vestido descia até os pés, pousados em uma nuvem que roçava a copa do arbusto. Um manto branco circundado de ouro, cobria-lhe a cabeça, tendo quase o mesmo comprimento do vestido. Nossa Senhora tinha as mãos erguidas a altura do peito, em atitude orante, e em sua mão direita, um lindo rosário de contas brancas brilhantes com uma cruz de prata. Assim disseram as crianças como a Virgem Maria apareceu a eles. Também disseram que seu rosto delicado e semblante puríssimo, apresentava uma “leve sombra de tristeza”. Disse-lhes a Virgem Maria:
“Não tenhais medo, não quero vos fazer mal algum”.
Corajosa, Lúcia pergunta: “De onde é vossemecê?”
“Eu sou do céu”, responde Maria.
“O que quer vossemecê de mim?”
“Vim para pedir que venhais a esta mesma hora, no dia 13 de cada mês por seis meses seguidos, até outubro, quando vos direi quem sou e o que desejo de vós”.
“Vindes do céu? Eu também vou para o céu?, perguntou novamente Lúcia.
“Sim”, respondeu Nossa Senhora.
“E Jacinta?”
“Também ela.”
“E Francisco?”
“Também ele, mas primeiro deverá rezar muitos rosários”, disse Maria pousando o olhar maternal no menino, que não ouviu o que a Mãe de Jesus lhe falava. Depois, perguntou a Lùcia que lhe disse. Por conta disso, o menino chegava a rezar até 20 terços por dia, para atender ao pedido de Nossa Senhora.
Aqueles meninos já nutriam seu amor e sua devoção à Maria. E já estavam preparados para aquela aparição, pois um ano antes, o anjo lhes aparecera e lhes ensinara a seguinte prece: “Meu Deus, eu creio, adoro, espero e amo-vos. Peço-vos perdão para os que não crêem, não adoram, não esperam e não vos amam”.
Nossa Senhora então explicou aos meninos que eles sofreriam muito para que os pecadores pudessem se converter e em desagravo às blasfêmias feitas ao Imaculado Coração de Maria. As crianças, aceitaram a proposta de Nossa Senhora, que os encorajou dizendo-lhes que a graça de Deus os assistiria e os confortaria.
Um mês depois, no dia 13 de junho, Nossa Senhora apareceu novamente aos três, e pediu que voltassem no mês seguinte e que aprendessem a ler, para que ela lhes pudesse dizer o que desejava. A menina Lúcia pediu a Maria que a levasse para o céu. E Nossa Senhora respondeu:
“Sim, Jacinta e Francisco, eu virei buscá-los logo. Tu, porém, deves ficar aqui por mais tempo. Jesus quer servir-se de ti para fazer-me conhecida e amada.”
“Então, devo ficar aqui sozinha?”
“Não, filhinha”, respondeu-lhe a Virgem. “Eu não te abandonarei mais. O meu Coração Imaculado será o teu refúgio e o caminho que te conduzirá a Deus.”
No mês seguinte, à terceira aparição, no dia 13 de julho de 1917, Nossa Senhora pediu às crianças que continuassem a rezar o rosário para obter a paz do mundo e o fim da guerra. Rezariam em honra a Nossa Senhora do Rosário. Pede ainda que continuem a ir àquele lugar todos os meses, que em outubro, ela mostraria ao mundo quem ela é o que deseja. Em seguida, mostrou-lhes o inferno, causando-lhes assombro. Este foi o primeiro segredo de Fátima, guardado até o ano de 1941. Nossa Senhora disse:
“Vistes o inferno para onde vão as almas dos pobres pecadores. Para os salvar, Deus quer estabelecer no mundo a devoção ao meu Imaculado Coração. Se fizerem o que eu vos disser, salvar-se-ão muitas almas e terão paz. A guerra acabará, mas se não deixarem de ofender a Deus, começará pior. Quando aparecer noite iluminada por luz desconhecida, sabei é o grande sinal que Deus vos dá de que punirá o mundo pelos crimes de guerra, de fome e de perseguição à Igreja e ao Papa. Para impedir, virei pedir a consagração do mundo ao meu Coração Imaculado e a comunhão reparadora do primeiro sábado de cada mês. Se atenderem meu pedido, a Rússia se converterá e terão a paz. Do contrário, espalhará seus erros pelo mundo, provocando guerras e perseguição à Igreja. Os bons serão martirizados, o Papa terá de sofrer muito, várias nações serão aniquiladas. Por fim o meu Imaculado Coração triunfará. Quando rezardes, dizei ao final de cada dezena: ‘Ó meu Jesus, perdoai-nos, livrai-nos do fogo do inferno, levai as almas todas para o céu e socorrei principalmente as que mais precisarem’.
Neste diálogo da terceira aparição, Nossa Senhora revela à Lúcia, Jacinta e Francisco, o segundo segredo de Fátima, que refere-se ao fim da Primeira Guerra, mas prenuncia o início da Segunda Guerra, mais cruel e sangrenta que a primeira. Maria revela também o flagelo do comunismo, que aniquilaria nações, colocaria o mundo em risco e dizimaria milhões de pessoas. Importante perceber como a fala de Nossa Senhora é uma profecia que nos remete a tudo que aconteceu no mundo no século passado.
Também é importante destacar nesta fala de Nossa Senhora, seu terceiro segredo, que ficou oculto até o ano 2000, quando finalmente foi revelado: o atentado ao Papa João Paulo II, ocorrido em 13 de maio de 1981 (nenhuma coincidência, mas sim, Providência). Autoridades italianas concluíram que a União Soviética estava por trás daquele atentado, por intermédio de seu serviço secreto, a KGB. Os russos tramaram a morte do Papa, em retaliação à sua voz contrária ao comunismo, sobretudo em sua terra natal, na Polônia. Este segredo de Fátima, foi revelado pelo mesmo Papa João Paulo II e contou com a anuência da então irmã Lúcia. Ainda cabe destacar que o Papa, hoje São João Paulo II, mandou que colocassem a bala que lhe feriu, na belíssima coroa de Nossa Senhora, que as mulheres portuguesas fizeram, em agradecimento pela não participação de Portugal na segunda grande guerra.
A quarta aparição de Maria aconteceu no dia 19 de agosto, porque no dia 13, as crianças foram impedidas de irem à Cova da Iria. Novamente, Maria recomenda a oração do rosário e os sacrifícios pela conversão dos pecadores. No mês seguinte, em 13 de setembro, vinte mil pessoas estavam na Cova da Iria, aguardando a quinta aparição de Fátima. E a Mãe de Jesus diz: “É preciso continuar a rezar o rosário para obter o fim da guerra. Voltarei em outubro com São José e o Menino Jesus”.
Na sexta aparição, mais de cinqüenta mil pessoas aguardavam por Nossa Senhora. Naquele momento, na Cova da Iria, chovia torrencialmente. E Nossa Senhora aparece e diz: “Eu sou Nossa Senhora do Rosário. Quero que se construa aqui uma capela em minha honra. Que se continue sempre a rezar o santo rosário todos os dias. A guerra está para terminar e os soldados voltarão para casa”. Depois, com tristeza, Maria pede que as pessoas parem de ofender a Deus. Então, a chuva cessa. E em seu lugar, surge o sol majestoso. O sol começa a girar como se dançasse à frente de todas as pessoas que assistem a tudo maravilhadas. De repente, o astro começa a se mover vertiginosamente três vezes em direção à terra. Enquanto todos os presentes assistiam à dança do sol, Lúcia, Jacinta e Francisco vêem a Sagrada Família, Jesus, Maria e José, conforme Nossa Senhora lhes prometera. As pessoas em êxtase, rezam, pedem perdão por seus pecados, conversam com a Mãe de Jesus.
Conforme Nossa Senhora havia dito, logo depois, em 1919 e depois em 1920. Francisco e Jacinta foram levados ao Céu. Lúcia ficou, para cumprir a missão que lhe fora dada. Guardou os segredos de Fátima, consigo, dando anuência ao Santo Padre para revelá-los nos momentos oportunos. O Papa Emérito Bento XVI, recentemente, deu declaração dizendo que os três segredos de Nossa Senhora de Fátima haviam sido revelados, conforme dissera Lúcia, pouco antes de seu falecimento, em 13 de fevereiro de 2005.
E o que aqui se escreve, com base no relato dos fatos e na vasta literatura mariana existente em nosso tempo, é digno de fé e para que se tenha fé e creiam que Deus está no meio de nós e que Maria Santíssima, a Mãe das Mães, é o Vosso Sacrário Vivo, a nossa intercessora junto a Deus Nosso Senhor.
OREMOS:
Oh Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós. Oh, meu Jesus, perdoai-nos, livrai-nos do fogo do inferno, levai as almas todas para o Céu e socorrei principalmente aquelas que mais precisarem.
Santa Maria de Fátima, abençoai vossos filhos, mesmo aqueles que ainda hoje não crêem. Olhai por todos os que se deixam levar pelo inimigo e ofendem a Deus com suas práticas e atitudes. Não deixai que estas pessoas pereçam, mas ajudai-as a encontrar o caminho da salvação.
Olhai por todos nós, vossos devotos. Que nunca percamos a fé e nunca nos desanimemos diante das dificuldades da vida. Que a tudo suportemos, pela honra e glória Vossa e de Vosso Filho Jesus Cristo.
Nossa Senhora de Fátima, rogai por nós!

REFERÊNCIAS:
ADUCCI, Edésia. Maria e Seus Títulos Gloriosos. São Paulo: Ed. Loyola, 2003.
ALVES, Aparecida Matilde. Maria de Todos os Povos: Um mês com Nossa Senhora. São Paulo. Ed. Paulinas, 2013.
AQUINO, Prof. Felipe. Programa Escola da Fé, TV Canção Nova, transmitido em 11 de maio de 2017.
BERALDI, Pe. Roque Vicente. 101 Titulos de Nossa Senhora na Devoção Popular. São Paulo: Ed. Ave Maria, 2012.
BISINOTO, Pe. Eugênio. Conheça os Títulos de Nossa Senhora. Aparecida, SP: Ed. Santuário, 2010.
ROMAN, Ernesto N. Aparições de Nossa Senhora: suas mensagens e milagres. São Paulo: Ed. Paulus, 2015.
SILVA, Dijanira. Há 100 anos o Céu Visitou a Terra. Revista Canção Nova, Maio de 2017.
ZANON, Frei Darlei. Nossa Senhora de Todos os Nomes: Orações e História de 260 Títulos Marianos. São Paulo: Ed. Paulus, 2014.

sexta-feira, 12 de maio de 2017

132° dia, Nossa Senhora de Bonate


Por Deiber Nunes Martins
Esta é uma devoção mariana nascida na Itália, na Diocese de Bérgamo, mais precisamente na cidade de Bonate. No dia 13 de maio de 1944, algumas crianças colhiam flores para o altar de Nossa Senhora, quando se depararam com uma delas, chamada Adelaide, de pé, paralisada, olhando para o alto. Aflitas, as crianças foram até a mãe da menina e disseram: “Adelaide morreu e morreu em pé!”
Mas a pequenina Adelaide Roncali, que tinha apenas 10 anos, estava em êxtase por ver a Virgem Maria, no alto, envolta numa luz resplandecente, toda de branco, coberta com um manto azul. Aquela visão se repetiria por 13 vezes, dos dias 13 a 21 e de 28 a 31 de maio.
Naquele dia 13 de maio, em sua primeira aparição, Nossa Senhora disse à menina: “Não temas, eu sou a Madona. Se fores boazinha, se não fizeres teus caprichos, se rezares bem, voltarei”. E assim, a Mãe de Jesus o fez, atraindo multidões à cidade. Muitas curas milagrosas e conversões foram vistas, fazendo com que o bispo de Bérgamo nomeasse uma comissão de médicos e especialistas para investigarem os fatos. Cerca de 70 pessoas enfermas, agraciadas com as curas, foram examinadas. Entre elas, um homem que havia ficado cego por conta da guerra e que por intercessão da Virgem de Bonate, recuperara a visão. Após análise detalhada dos fatos, os especialistas concluíram a veracidade deles e o bispo de Bérgamo então reconheceu as aparições de Maria.
Em suas aparições à pequena Adelaide, Maria repetiu os pedidos que fizera em Fátima, Lourdes e Salete. Pedia a Mãe de Jesus que as pessoas fizessem orações e penitências. Também pediu às mães que deixassem de pecar, pois seus pecados agrediam firmemente a humanidade.
OREMOS:
Nossa Senhora de Bonate, intercedei por nossas mães. Dê a elas, saúde e paz, para que possam cuidar e criar seus filhos com dignidade e sabedoria. Dê a elas muitas alegrias, com o encaminhamento dos seus filhos à virtude e aos bons costumes. Dê também a elas, conforto e consolo, quando perderem prematuramente seus filhos. Olhai pelas mães que perdem noites e mais noites de sono, velando seus filhos enfermos, ou rezando por seus filhos, envolvidos com más companhias e no mundo das drogas. Vós que sois a Mãe de Jesus, abençoai todas as mães e fazei com que elas possam em seus filhos, realizar o plano de amor de Deus na humanidade.
Nossa Senhora de Bonate, rogai por nós!
REFERÊNCIAS:
ADUCCI, Edésia. Maria e Seus Títulos Gloriosos. São Paulo: Ed. Loyola, 2003.
BERALDI, Pe. Roque Vicente. 101 Títulos de Nossa Senhora na Devoção Popular. São Paulo: Ed. Ave Maria, 2012.
ZANON, Frei Darlei. Nossa Senhora de Todos os Nomes: Orações e História de 260 Títulos Marianos. São Paulo: Ed. Paulus, 2014.

quinta-feira, 11 de maio de 2017

131° dia, Nossa Senhora de Azambuja


Por Deiber Nunes Martins
Em 1875, as famílias de imigrantes oriundas de Treviglio na Itália, combinaram de construir uma capela em honra a Nossa Senhora do Caravaggio tão logo chegassem ao Brasil, com o intuito de se manterem unidas neste país. O objetivo não foi alcançado, pois aportaram em Brusque, no bairro de Azambuja, apenas 9 imigrantes italianos. No entanto, esses imigrantes não desistiram da construção da capela e a concretizaram algum tempo depois, em 1887.
A pequenina capela logo se destacou, recebendo um quadro com a imagem de Nossa Senhora de Caravaggio, vinda especialmente da Itália. Muitos romeiros passaram a visitar Azambuja, fazendo com que fosse necessária a construção de uma igreja maior em Brusque. E assim foi feito. Em agradecimento, o povo passou a celebrar duas festas marianas: a de Nossa Senhora de Caravaggio, em maio e a festa da Assunção de Maria, no mês de agosto.
Em 1905, Maria começou a ser conhecida também como Nossa Senhora de Azambuja, tendo seu dia celebrado no terceiro domingo do mês de agosto.
OREMOS:
Nossa Senhora de Azambuja, abençoai vossos filhos. Guiai nossos passos no caminho da santidade. Fazei com que tenhamos a sabedoria e a humildade de agir sempre, pautados pela Palavra do Senhor e que por vossa intercessão esta Palavra semeie e dê frutos no meio de nós.
Nossa Senhora de Azambuja, velai por nós!
REFERÊNCIAS:
ZANON, Frei Darlei. Nossa Senhora de Todos os Nomes: Orações e História de 260 títulos marianos. São Paulo: Ed. Paulo, 2014.
Portal do Santuário Nacional de Aparecida. Disponível em http://www.a12.com/santuario-nacional/formacao/detalhes/nossa-senhora-de-azambuja, último acesso em 10 de maio de 2017 às 22h15min.



quarta-feira, 10 de maio de 2017

130° dia, Nossa Senhora do Manto Santo


Por Deiber Nunes Martins
Na Europa, mais especificamente na Alemanha, Áustria e Suíça, tornou-se comum aparecer pinturas, esculturas e vitrais da imagem de Nossa Senhora com um grande manto a cobrir os seres humanos.
Tal imagem de Maria ficou conhecida como Nossa Senhora do Manto Santo.  E ela é invocada nas situações de risco e perigo.
OREMOS:
Oh Virgem do Manto Santo, abençoe nossa jornada e proteja-nos nas situações de perigo. Cubra-nos com vosso manto, Mãe. Livrai-nos de todo mal. Afasta-nos das tentações do inimigo, que fica à nossa espreita, esperando nossas ocasiões de queda. Que por vosso intermédio, saibamos nos revestir da armadura do cristão, amparados na certeza de que temos a ti, Mãe, para cuidar de nós.
Nossa Senhora do Manto Santo, rogai por nós!
REFERÊNCIA:
ZANON, Frei Darlei. Nossa Senhora de Todos os Nomes: Orações e História de 260 Títulos Marianos. São Paulo: Ed. Paulus, 2014.

terça-feira, 9 de maio de 2017

129° dia, Nossa Senhora dos Milagres


Por Deiber Nunes Martins
A devoção à Virgem dos Milagres surgiu com a Santa Teodechilde, filha do rei Clóvis. Teodechilde, após constantes visões de Nossa Senhora, construiu em honra à Mãe de Jesus uma capela, onde um círio sempre aceso ficava ao lado da imagem. Algum tempo depois, ela construiu um mosteiro ao lado da capela e doou todos os seus bens para os monges, pedindo que eles cuidassem da capela. A partir daí, inúmeros milagres aconteceram por intercessão de Nossa Senhora dos Milagres. Tantos milagres fizeram com que a região se desenvolvesse e fosse fundada a cidade de Mauriac. Algum tempo depois, em 1050, foram enterrados na capela, os restos mortais de São Mário, padroeiro e fundador de Mauriac.
A imagem de Nossa Senhora dos Milagres é representada pela Virgem Maria de pé, com um véu curto e um manto enfeitado que se estende até os pés. A imagem traz na cabeça uma coroa. Esta devoção mariana rompeu as fronteiras francesas e hoje se faz presente em Portugal, na Itália, na Espanha e no Brasil. Inúmeros milagres e graças são obtidos graças a intercessão de Nossa Senhora dos Milagres.
OREMOS:
Nossa Senhora dos Milagres, quantos fiéis acorrem a vós, ávidos por um milagre, por uma graça a ser alcançada. Intercedei pelo vosso povo, Mãe. Fazei com que saibamos cultivar nossa devoção e veneração a vós, reconhecendo sempre que és nossa intercessora e advogada, junto a Deus, Nosso Senhor.
Nossa Senhora dos Milagres, rogai por nós!
REFERÊNCIAS:
ADUCCI, Edésia. Maria e Seus Títulos Gloriosos. São Paulo: Ed. Loyola, 2003.
BISINOTO, Pe. Eugênio. Conheça os Títulos de Nossa Senhora. Aparecida, SP: Ed. Santuário, 2010.
ZANON, Frei Darlei. Nossa Senhora de Todos os Nomes: Orações e História de 260 Títulos Marianos. São Paulo: Ed. Paulus, 2014.