sábado, 12 de dezembro de 2009

Feliz Aniversário BH!




Música: "Lugar Melhor que BH" de César Menotti e Fabiano
Composição: César Menotti e Jáder Soares
Texto: Deiber Nunes Martins

É aqui que eu amo
É aqui que eu quero ficar
Pois não há á á!
Lugar melhor que BH...(2x)
Lá no Rio de Janeiro
Conheci tantas belezas
Visitei tantos lugares
De São Paulo à Fortaleza
Conheci o Amazonas
Tocantins e o Pará
Mas confesso não achei
Por onde eu andei
Lugar melhor que BH...
É aqui que eu amo
É aqui que eu quero ficar
Pois não há á á!
Lugar melhor que BH...(2x)
Eu nasci lá em São Paulo
E cresci no Paraná
Eu escutei tantas histórias
De Minas ao luar
Meu Brasil é tão bonito
Do Rio Grande ao Maranhão
Conheci me apaixonei
Por isso eu me tornei
Mineiro de coração...
É aqui que eu amo
É aqui que eu quero ficar
Pois não há á á!
Lugar melhor que BH...(3x)

BH das montanhas, das lindas mulheres, dos bares, de uma vida com qualidade de vida, enfim, BH que eu amo! Parabéns pelos 112 anos! Que o Bom Deus te abençoe cada vez mais e te torne cada vez mais aprazível.
Como na música, podemos ir a qualquer canto, mas é em BH que nos sentimos em casa. É em BH que nos sentimos à vontade. Um lugar como nenhum outro, onde o tempo passa lentamente veloz. Com a vagareza do interior, o jeitinho humilde e manso da roça com a rapidez e dinamismo de uma metrópole. BH é o lugar de todo mundo.
Por isso, deixo meu recado a todos que como eu, amam esta cidade: AMEM AINDA MAIS BELO HORIZONTE! Porque quem ama, cuida! E nossa cidade precisa ser cuidada. Nossa cidade precisa ser vista com mais amor. Se nossas autoridades não conseguem demonstrar este amor, façamos nas nossas limitações de cada dia, as vezes destas pobres autoridades. A começar pela gentileza urbana. Como é bom ser gentil e cordial nas pequenas coisas. Como é boa a simpatia e o calor humano! Mas além disso, o amor que temos por esta cidade deve ser mostrado no caminhar do dia a dia, no cotidiano, nas coisas simples da vida. Este é o amor que BH merece.
Que nós, nas dificuldades de nossas vidas, na cruz de cada dia, possamos dar a BH este presente: o nosso mais sincero amor.

Belo Horizonte, 112 anos. Lugar abençoado por Deus! 12 de dezembro de 2009.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

Nossa Senhora Aparecida


Por Deiber Nunes Martins

Havia uma mulher. A prova cabal da importância de Maria para a salvação dos homens está estampada no olhar de Cristo na Cruz, “Mulher, eis aí o teu filho. Filho, eis ai tua mãe.” (Jo, 19, 26 a 27). Cristo olha a sua mãe e olha João e na magnitude daquele olhar diz tudo. No Evangelho secreto da Virgem Maria, um escrito apócrifo, mas de grande valia para quem anseia conhecer a Mãe de Cristo tomamos conhecimento que desde o início do calvário até o último suspiro na Cruz, era Ela, Maria Virgem, quem dividiu literalmente com Jesus todas as dores. Sim, havia uma mulher. E é por isso que hoje temos um Deus que é nosso Rei e é nosso tudo.
O Cristo que mora em meu coração é um Cristo cheio do amor feminino. Amor de mãe, que dá um braço por um filho. E dá a vida também. Jesus aprendeu com seu pai um ofício, a importância do trabalho, a importância de ser operário. Mas foi com Maria que ele aprendeu a compadecer-se. Foi com a Mãe que ele aprendeu a ajudar uma família em apuros, com a falta de vinho, numa festividade de casamento. Foi com Maria que Jesus aprendeu a importância do importar com o outro. E Jesus só poderia fazer a obra de seu Pai, porque teve uma Mãe que lhe deu todo suporte para tal.
Por isso, neste doze de outubro, Mês da Padroeira do Brasil e Mês do Círio de Nazaré, devemos rezar a Virgem, devemos crer no seu poder de intercessão. Devemos venerar a Mãe de nosso Deus como os romeiros em Aparecida o fazem, com o mesmo fervor ou mais. Ou ainda, como nossos irmãos paraenses, em Belém do Pará, durante a festa do Círio. E por isso, ao invés, de escondermos este dia importante, atrás das nossas crianças, que nós o dediquemos a Virgem. Pois sem ela, não teríamos Jesus. Não teríamos um plano de salvação.
Se no plano salvífico de Deus, alguém tivesse proposto trocar o título de Nossa Senhora da Aparecida, ou Nossa Senhora do Carmo, para simplesmente, Senhora de Aparecida, ou Senhora do Carmo, talvez o Nosso Pai Celestial, mudasse todos os seus planos e resolvesse permitir que perecêssemos mais um pouquinho no limbo, ou na condenação do inferno. Enquanto não assumirmos a Virgem em nossas vidas, enquanto nossa fé não tiver um quê de feminilidade que só Maria proporciona, seremos assim sem razão de ser.
Senhor, que no dia da Padroeira deste país, tenhamos mais amor pela jovem que escolhestes para Mãe do teu Filho. Que aprendamos a venerar esta Virgem que foi mãe, foi esposa, foi sacrário, foi tudo. Que a tua intercessão Virgem Mãe, acolha não só os teus devotos, mas também teus inimigos, que cegamente se esquecem de que sem a Mãe, não há Filho. Sem a Mãe, não há nada.
Na Paixão e Morte de Cristo, havia em certo lugar, uma mulher. Havia a Mulher. Obrigado Maria! Ave Cheia de Graça, Virgem Mãe, Nossa Senhora Aparecida.

Belo Horizonte 12 de outubro de 2009.

sábado, 5 de setembro de 2009

Uma Vida Só...

Por Deiber Nunes Martins

Conte uma história, de felicidade. Nossa vida é feita de felicidade. Mesmo quando tudo dá errado, quando tudo parece ser errado, nossa vida concorre para a felicidade. É assim pelo simples fato de sermos filhos de Deus. E o Pai, poderosíssimo como Ele só, tem a capacidade plena de gerar felicidade em nós, pelo amor que tem para conosco.
Quando eu poderia imaginar que numa simples conversa de internet, fosse conhecer o amor da minha vida e com ela, fosse hoje, me casar? Como eu poderia pensar que um dia seria merecedor do matrimônio? Deus, em seu infinito amor, pensou por mim. E em seu poder, me concede a Graça de hoje, ser o noivo de Bi, minha futura esposa. É com muita alegria e regozijo que recebo do Pai, esta Graça e acolho Bi, minha amada, em meus braços.
O amor torna tudo novo de novo, tudo perto, tudo certo, tudo natural. E como amor, só pode ser de Deus. E se é de Deus, é felicidade pura. O amor que une Bárbara a mim é um amor que torna tudo novo, de novo. Revigora-se com o passar dos tempos e rejuvenesce a cada manhã. Um amor que eu nunca tinha vivido e que agora, se coloca em minha direção, na estação em que meu expresso está parando: Estação Camacã, Bahia. Lugar que nasceu minha outra metade.
Tenho plena convicção que Bárbara é um talento que Deus está me dando. Ele quer que eu trabalhe este talento e o faça multiplicar, para que Ele seja glorificado cada vez mais e mais. E é o que eu pretendo fazer. Estar sob a missão de Bárbara, submisso ao trabalho que ela tem para Deus Pai. E a recíproca é verdadeira. Também ela, estará sob a minha missão. Porque a ela, Deus também deu um talento, que sou eu.
Neste dia de alegria, eu quero louvar e glorificar o Senhor, com todo o meu ser e com toda a minha alma, porque só Ele pode fazer a diferença em nossas vidas. Só ele, pode nos guiar rumo a estação que se chama felicidade. E se você, Bárbara, minha orquídea, minha amada, quis seguir comigo, é porque o Senhor tem uma cidade de felicidade reservada a nós dois.
Não tenho pretensão de ser o melhor, a pessoa ideal. Mas tenho o desejo de te levar pra Deus. E assim sendo, te fazer feliz. Chegou a hora e é agora, onde não perderemos tempo. Quem ama, não perde tempo e o Senhor não perdeu tempo conosco. Chegou a hora, e é agora, onde percebemos ser bem melhor quando amamos de verdade. E aproveitamos uma vida só. Dois sendo um. Pra fazer a vontade do Senhor. E em nosso amor, levarmos um ao outro a ser mais santo.
Amada, te amo por toda a minha vida, sem nenhuma medida.

Camacã, 05 de setembro de 2009.

sábado, 22 de agosto de 2009

Sob o Olhar de Deus


Por Deiber Nunes Martins

Quando você sai, não faz barulho
Todos ainda dormem quando fechas a porta
E ele ainda está dormindo quando você volta
Você sente uma dor cruel nas chegadas e partidas
Mas Deus põe em você, o Seu olhar
E nada mais vai importar.

Todos as manhãs, seu corpo chega doído
E toda noite você de casa sai perfumada
Com o amor e o coração moídos
As ruas estão cheias de você na madrugada
Você não sabe quando terá um fim
Mas Deus põe hoje em você, o olhar
E nada mais vai importar.

Tudo está no seu lugar
Mas neste mundo não há honra nem orgulho
E Deus colocou em você o Seu olhar
Você faz de toda noite um devaneio
E traz toda manhã um gosto ruim em sua boca
Uma marca no pescoço, dói um seio
Sua vontade é ficar louca
Mas Deus põe em você, o Seu olhar
E nada mais vai importar.

Quando você sai, o mundo não te dá valor
Mas você ainda olha o garotinho antes de sair
A ele e por ele, tudo por amor
Mas coitado, ele não sabe o que há por vir
Você traz consigo um desejo velado
E tem horas que você não pode gritar ou gemer
Há um corpo conspurcado, censurado, violado
De dor, de agonia, de prazer
Mas Deus põe hoje em você, o Seu olhar
E nada mais vai importar.

Deus põe em você e em seu filho, todo amor
Deus manifesta a você, nesta noite o Seu olhar
Deus dá o devido perdão a sua dor
Ele faz de você uma filha pronta para amar
E você volta, você vai, mas você volta
E Deus sabe que você vai voltar
Ele põe um anjo a sua escolta
Porque Ele te ama e sempre vai te amar
E por isso, Deus põe em você o Seu olhar
E nada, nada mais, vai importar.

Canavieiras-BA, 23 de fevereiro de 2009.

domingo, 16 de agosto de 2009

Rosas...


Por Deiber Nunes Martins

Este é um canto de amor
Um tanto sombrio, fechado
Em sublime desejo cria vigor
Corta na carne o ser mal amado.

Cruéis sombras da terra, por que olhais assim?
Não quer o mar se impor ao rio
Não quer o amor chegar-se a mim?
Minha face descora de tanto frio...

Serve a rosa vermelha, a muitas senhoras
Traduzem dos lábios, imensa paixão
Serve a rosa branca, a terna aurora
Conduz o alento, conforto à solidão.

Outra rosa queima em desejo, doce princesa
Quer da vida, um grande amor
Não serve a ninguém somente a tristeza
Aquece os corpos, sem grande valor...

Se branca fostes, traria amizade
Mas afeto nenhum conduz ao pranto
Buscarei o caminho da liberdade
E sem melodia deixo meu canto.

Conformar com a derrota, falta de amor
Voltar a sorrir, quero doces caminhos
Não vou mais ouvir o canto da dor
Guardarei a rosa, sem me ferir com os espinhos.

Belo Horizonte, 18 de Dezembro de 1999.

Assunção de Nossa Senhora


Por Deiber Nunes Martins

Ontem a Igreja comemorou a Assunção de Nossa Senhora. Foi um dia festivo que nos remete com carinho a Mãe de Deus. Dizemos "Assunção" e não "Ascensão" por uma razão bem simples. Maria, não ascendeu (subiu sozinha) ao Céu. Maria foi assunta (foi elevada ao Céu). Maria não ascendeu ao Céu porque não tem a virtude de Deus para isso. Mas por ser a Mãe do Criador, e ter sido concebida sem o pecado original, Maria foi elevada por Ele, Deus, ao Céu.
É bom falar da Virgem Maria. Ela é nossa Mãe também. Como é bom falar da Mãe. Quando Jesus, naquele momento de profunda dor, disse a sua Mãe: "Mulher, eis aí o teu filho" (Jo 19,26) e disse a João: "Eis aí tua mãe." (Jo 19,27), Ele indicou a Maria qual seria a missão dela: ser a mãe de todos nós. E como mãe, advogada, conselheira, intercessora. Tanto que João a leva para casa a partir daí e a assume como mãe.
Fico a imaginar quão maravilhosas foram aquelas tardes em que João parava tudo, para escutar Maria contar suas reminiscências. Imagino Maria lhe contando como conheceu José, contando como foi o nascimento de Jesus. Como foi a visão do anjo. Como foi a fuga para o Egito, a apresentação no Templo... Fico a imaginar Maria relembrando a história e contando a João tudo àquilo que ela a vida toda guardou no coração.
Devemos hoje e sempre recordar com muito amor de Maria. Ela é a nossa Mãe. Ela nos adota como filhos muito amados e intercede por nós. A todo tempo. Devemos venerar a mãe de nosso Senhor e ter por ela bem mais que respeito, devoção: devemos ter o carinho de filhos.
Mãezinha do Céu, tu és o sacrário vivo de Deus. Ensina-me a viver como filho verdadeiro, filhos muito amado do Criador. Aproxima-me de teu Jesus e faça ter meu tão sonhado encontro com Ele. Virgem Mãe, a ti rogo intercessão para minha vida, para meus projetos, meus sonhos, minha família. Maria, Mãe de Deus e minha mãe, eu te amo! Obrigado Senhor, por permitir a Maria em seu plano salvífico de amor e salvação, ser nossa intercessora junto a vós. Amém.

Belo Horizonte, 16 de agosto de 2009.

domingo, 9 de agosto de 2009

Dia dos Pais


Música: Edgard Scandurra (Ira)
Texto: Deiber Nunes Martins

Só depois de muito tempo fui entender aquele homem
Eu queria ouvir muito mas ele me disse pouco
Quando se sabe ouvir, não precisam muitas palavras,
Quanto tempo eu levei, pra entender que nada sei!
Que nada sei.

Só depois de muito tempo comecei a entender
Como será meu futuro, como será o seu
Se meu filho nem nasceu, eu ainda sou o filho!
Se hoje canto essa canção
O que cantarei depois?
Cantar depois...

Se sou eu ainda jovem, passando por cima de tudo
Se hoje canto essa canção
O que cantarei depois?

Só depois de muito comecei a refletir
Nos meus dias de paz, nos meus dias de luta
Se sou eu ainda jovem, passando por cima de tudo
Se hoje canto essa canção,
O que cantarei depois?

Se sou eu ainda jovem, passando por cima de tudo
Se hoje canto essa canção,
O que cantarei depois?
Cantar depois...


A letra da música "Dias de Luta", do “Ira!”, revela um pouco das angústias do pai. Pai é aquele que mesmo a distância, segura a mão do filho(a), cuidando para que o melhor lhe aconteça. É assim nosso relacionamento com o Pai Celestial, Deus Pai, o Criador. É assim que ele faz com a gente. Sentimo-lo à distância, mas Ele está nos segurando. O pai segura o filho. E o filho, bem, o filho insiste em passar por cima de tudo, derramando lágrimas, sofrendo e fazendo sofrer. Mas o pai acaba lembrando ao filho, que um dia, ele também vai ser, pai.
Ninguém sabe, mas nos momentos mais duros da minha vida, na hora em que era difícil segurar as lágrimas, na hora em que era difícil encontrar a paz necessária, para o sono restaurador, eu dizia: "Ainda sou o filho, ainda sou jovem e ainda não sou pai..." Hoje, depois de tanto sofrer, eu vejo que Deus sempre me disse: "O momento é agora." E então, resta-me assumir as missões que Ele me dá, como a missão de ser pai. Porque nunca estamos preparados para gerar. E Deus nos dá esta Graça pra nos preparar depois, no dia a dia, no troca de olhares entre pai e filho(a)...
Minha história de amor com meu pai, passa pela distância, passa pela timidez de dois homens no momento de dizer "Eu te amo!" um para o outro e passa também pelo amor que sempre pautou nossas vidas e que construiu tudo o que sou hoje. Se eu agrado ou desagrado, devo a meu pai, o meu caráter, a minha história. Como um jardineiro, meu pai me preparou e me prepara para o mundo. Houve momentos para adubar, regar, revolver a terra e houve momentos de poda também. Em todos eles, fui cuidado. Houve cuidado. Houve amor. Por isso, eu posso amar meu pai. Porque o amor que há em mim, foi plantado por ele.
Não tenho a pretensão de ser grandioso, como ele foi. Mas tenho a pretensão de ser o melhor para meus filhos, pois isso ele me ensinou. E hoje, eu sei que posso ser. Meu pai é o meu herói e um herói, só pode gerar outros heróis.
Obrigado, Senhor Deus, pela vida de meu pai, Antônio. Que este dia dos pais seja para ele repleto de bênçãos. Alivia as dores dele, Senhor, dê a ele, saúde e paz. E um pouco mais de fé também, para que ele possa ver a sua obra e o seu infinito amor. Obrigado também, Senhor, pela minha vida e pela vida de todos os pais que fazem do dia de luta de cada dia, uma bandeira com a estampa de seus filhos.
A todos, um feliz dia dos pais!



Belo Horizonte, 09 de Agosto de 2009.

quarta-feira, 5 de agosto de 2009

Ser Útil na Vida dos Outros


Por Deiber Nunes Martins

Hoje ouvi de minha noiva, num arroubo de preocupações comigo, que ela não gostaria de ser uma esposa de enfeite. E que por isso, se preocupava comigo. Achei engraçado. Esposa de enfeite. É uma expressão interessante que nos leva a pensar no que significamos para os outros. Na verdade, ser enfeite é o que ninguém quer ser. Queremos ser úteis na vida de quem amamos.
E como ser útil na vida do outro?
É preciso estar presente na vida de quem amamos. Esta é a melhor maneira de sentirmos úteis. É dançar a mesma música, respirar o mesmo ar. Não adianta eu estar feliz se a amada não está. Não adianta prosseguir estando num planeta e a amada em outro.
Uma das coisas que eu mais insisto na vida é definir o senso de empatia com os outros. Se eu me coloco no lugar das outras pessoas certamente saberei como elas se sentem diante das minhas atitudes para com elas. Não devemos cobrar atenção dos outros, quando somente o nosso problema importa. O outro nem sempre está contente. Nem sempre está eufórico e feliz, esperando congratulações. Muitas vezes, nossa euforia pode até causar mal estar no irmão que está ao nosso lado. É preciso viver o momento do outro. E isto não significa ficar triste porque o outro está triste. Significa partilhar o seu momento de euforia com o momento melancólico do outro, da pessoa amada. Quando eu aprendo a partilhar, me torno útil na vida dos outros.
Você tem a capacidade de ser bem mais que enfeite na vida do seu irmão, da sua irmã, do seu esposo, da sua esposa, seu pai, sua mãe, enfim, do seu próximo. Seja capaz de viver o momento do outro. E mesmo se não o compreenda, acolha-o, sem se mostrar acima do bem e do mal. Porque não somos. Hoje estamos por cima, amanhã por baixo. Agora vejo em parte, mas então veremos face a face...
O amor tem a capacidade de curar os corações porque nos abre a dimensão do compartilhar momentos e sensações. As vezes, com um só olhar, eu posso salvar um momento. Posso salvar o dia de alguém que sofre. Posso ser bem mais que um enfeite na vida do outro.

Belo Horizonte, 05 de Agosto de 2009.

domingo, 21 de junho de 2009

O Amor


Por Deiber Nunes Martins

Eu nasci pra te amar
E hoje eu percebo isso
Tão claro como a água do mar
Eu hoje entendo o quanto te amo
Eu hoje entendo o quanto me falta te amar...

Vivemos sobre as cinzas de amores passados
Dois corações que vivem à sombra
Sombras de sentimentos que insistem em nos manietar
Mas somente o amor
Somente o amor pode nos curar...

E vivemos até aqui porque precisamos um do outro
E o Senhor quis o nosso encontro
E o Senhor nos fez cair no amor
E no amor nos erguemos também
Ao sermos um só, tudo será obra do Senhor.

Você nasceu pra me amar
E hoje percebe isso
Tão claro como o luar
E hoje entende o quanto me ama
E hoje entende o quanto falta me amar...

O quanto falta nos amarmos!
Tão bom precisarmos um do outro
Somos a essência do amor
E por força deste amor, venceremos
Por obra e graça do Senhor!

É o amor que move os corações
É o amor que nos faz caminhar
É o amor que faz o brilho do seu olhar
Somente o amor, insano amor, belo amor
Amor que nos une, amor que nos faz cantar

Um canto de louvor ao Senhor.

Belo Horizonte, 21 de junho de 2009

domingo, 31 de maio de 2009

Mais Perto



Música de Pe. Fábio de Melo
Texto: Deiber Nunes Martins

Onde é que você vai com tanta pressa
Com esse ar de quem tem muito o que fazer
Se eu posso lhe pedir alguma coisa eu lhe peço: senta aqui
Como um dia eu sentei naquele poço
E a amizade visitou meu coração
Fui amigo e o esposo que faltava e hoje pode ser também assim
Os seus olhos me revelam tanta sede
E não sou indiferente a sua dor
Mas tem coisas que não faço,
Não são minhas,
Dependem somente do seu querer
O milagre se dará por duas vias
Uma é minha e a outra deixo pra você
Se você trouxer a mim a sua água
Eu devolvo vinho.

Chega mais perto, não tenha medo
Não diga nada, silêncio é palavra que não faz segredo
Se for preciso enxugo o seu rosto
Lágrimas são fragmentos de história que posso entender.

Eu lhe vejo entrelaçado em tantos erros
Machucando tanta gente sem saber
Infeliz vai se tornando pouco a pouco, por favor, queira voltar
Não prometo dar-lhe um jardim de flores
Mas prometo a força pra poder plantá-lo
E asseguro no cultivo estar bem junto, se preciso, lhe consolar
Cantaremos a semente germinada, podaremos o que não puder crescer
Cada poda há de ter ensinamento eu vou lhe ajudar a compreender
Sou o verbo do princípio feito carne
Sou o Deus que resolveu ter coração
E hoje está sentado à beira deste poço
Mirando o seu rosto, na voz deste moço, lhe dando um recado
Que se for possível espero visita, não tarde em chegar
A casa é a mesma, o mesmo endereço, espero por lá
Chega mais perto.


Hoje foi um daqueles dias cansativos. Um dia daqueles que pra esquecer. Então é como se eu estivesse chegando num poço e lá encontrasse Jesus. Disposto a me refazer, Jesus vai repassando minha história. Todos os meus medos e anseios. E vai com seu bálsamo me curando. Me ensinando a cultivar boas sementes. A cultivar uma vida que precisa ser cultivada.
Hoje foi um dia de trevas. Mas aos 45 do segundo tempo, o Senhor traz a luz. Obrigado Senhor por me ensinar a seguir em frente, mesmo diante de tanta dor. De tanto sofrimento. Muito obrigado Jesus, porque Tu me mostras que o silêncio é palavra que não faz segredo. E que minhas lágrimas Tu sabes perfeitamente de quais fragmentos de história provêm. Obrigado Senhor.

Belo Horizonte, 31 de Maio de 2009.

sábado, 30 de maio de 2009

Camacan



Por Deiber Nunes Martins

Já não esqueço o seu olhar
Já não escuto a sua voz
Este seu jeito de me amar...
Já não percebo o seu olhar
Já me perscruta a sua voz
Este seu jeito de me amar...

Vou me acabar, na mesa de um bar
Vou entregar meu coração
Não tenho mais solução

Meu coração falido está
Entregue ao martírio da saudade
De um amor que mata assim
Um triste fim, que torpe maldade!

A paga devida aos credores
É maior que a capacidade de amar
É bom dever este amor
E saber que com ele posso sonhar.

Mas todo sonho de dois é realidade
Vida que segue, sonho que se move
E de sonho em sonho, Camacan
Onde a vida se renove...

Já não esqueço o seu olhar
Já não escuto a sua voz
Este seu jeito de me amar
Já não percebo o seu olhar
Já não entendo a sua voz
Este seu jeito de me amar.

Vou me acabar na mesa de um bar
Vou entregar meu coração
Não tenho mais solução

Já, já não entendo o seu olhar
Já não escuto a sua voz
Este seu jeito de me amar
Então...

Vou me acabar, na mesa de um bar
Vou entregar meu coração
Não tenho mais solução

Já, já não percebo o seu olhar
Já não escuto a sua voz
Este seu jeito de me amar
Então eu vou, então eu vou
Então eu vou pra Camacan!

Belo Horizonte, 30 de Maio de 2009

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Belo Horizonte




Música: "Envelheço na Cidade", composição de Edgard Scandurra, Ira!
Texto de: Deiber Nunes Martins

Envelheço na Cidade

Mais um ano que se passa
Mais um ano sem você
Já não tenho a mesma idade
Envelheço na cidade...

Essa vida é jogo rápido
Para mim ou prá você
Mais um ano que se passa
Eu não sei o que fazer...

Juventude se abraça
Se une prá esquecer
Um feliz aniversário
Para mim ou prá você...

Feliz aniversário
Envelheço na cidade...(3x)

Feliz aniversário!...

Meus amigos, minha rua
As garotas da minha rua
Não os sinto, não os tenho
Mais um ano sem você...

As garotas desfilando
Os rapazes a beber
Já não tenho a mesma idade
Não pertenço a ninguém...

Juventude se abraça
(Faz de tudo) prá esquecer
Um feliz aniversário
Para mim ou prá você...

Feliz aniversário
Envelheço na cidade...(3x)

Feliz aniversário!


Hoje é o o meu dia. Trinta anos passados e agora sinto a necessidade de recomeçar. Muitas alegrias, muitas conquistas e realizações. Mas também muitos fracassos, muitas decepções. Tudo bênção! A cada situação vivida, a cada conquista, a cada fracasso, eu pude me rever, pude me reencontrar. Cada minuto de minha vida teve e tem um propósito e esta é a alegria.
Hoje, completando 31 anos, quero agradecer a Deus pelo dom da vida. Pela oportunidade de estar aqui. Mas também quero relebrar com carinho de todos os bons momentos vividos. Se hoje eu tenho um desejo gostoso de voltar no tempo e viver a vida simples de um dia só, é porque foi muito bom. E porque num determinado momento de minha vida, minhas decisões me causaram afastamento daquela fase. Mas eu quero vivê-la novamente, hoje com a maturidade dos meus 31 anos.
Meu maior presente hoje é a vida e a saúde. Hoje, meu caminho me leva ao matrimônio. E também me leva à paternidade. Em breve serei marido e pai e isso me encanta. E este encantamento não se deve só pelas circunstâncias mas também pela emoção de viver em breve situações que eu nunca imaginei vivê-las. Então, o meu maior presente e o peço a Nosso Senhor Jesus, é a vida e a saúde, pra poder viver estes momentos. Eu não tenho pretensões de uma vida longeva. O estilo de vida que levo, sei lá, talvez me dê outros trinta anos ou um pouco mais ou menos. Enfim, como estou nas mãos de Deus, desejo o tempo que Ele me der. Então, desejo viver este tempo com muito amor. A cada dia me convenço mais de que o amor é a base de tudo. E sendo a base, é dele que virá a felicidade.
Se Deus confia a mim a dádiva de ser esposo, chefe de família e pai, é porque me ama. E este amor deve ser traduzido em minha vida para os outros. Esta é a minha meta, o alto. E para o alto, para o céu, preciso olhar ainda mais para os lados, para os outros. Ao mesmo tempo que meu tempo é curto, meu tempo é hoje. Preciso hoje fazer o que esperam amanhã.
Obrigado, Senhor pela dádiva da vida, pela emoção de ser em breve esposo e pai. Mesmo que não seja nas circunstâncias que eu queria, que eu desejava, estou feliz. Porque o Senhor permite ao me usar que duas vidas se tornem uma e que novas vidas surjam ao longo de minha história. Estou feliz pelo meu dia. Obrigado, meu Senhor!

Belo Horizonte, 29 de Maio de 2009.

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Ouro Preto




Música: "Uma Vida Só", Pe. André Luna, SCJ
Texto de: Deiber Nunes Martins

Conte uma história, de felicidade
Fale dos tempos de amor
Quando os dias demoravam a passar
E as horas se perdiam...

Lembra aquele dia, sem correr
Antes de a gente levantar
Com jeito de domingo
Todo mundo, o cheiro do café
E a vontade de ficar mais um pouco...

Quero voltar no tempo e lembrar
A vida simples de um dia só
Pois eu preciso respirar de novo
O que foi bom faz bem a vida inteira
Os sentimentos não voltam, eu sei
Mas a gente muda...

Levanta! É hora de acordar! Só falta você!
É triste quando a gente perde tempo
Não sabendo, viver
É bem melhor quando se ama de verdade
E aproveita uma vida só
Porque a vida pode não dar outra chance...


Amigos, é sempre bom dizer o quanto esta música é importante para mim. O quanto esta música traduz a minha história. Porque eu não posso negar, tenho saudades do tempo de antigamente. Sem nenhum saudosismo ou melancolia, apenas tenho saudade do tempo onde eu era feliz e não sabia.
Tenho saudades do tempo de criança. Naqueles dias, eu não me cobrava tanto e nem me punia por conta dos resultados. Era um tempo lúdico, onde pude aprender e desenvolver habilidades ímpares. Não considero que tenha perdido tempo. Também não vejo como me arrepender de alguma coisa. Simplesmente foram tempos bons que não mais voltarão.
É como o amigo que partiu e não deu mais notícias. Ou como aquela despedida doída no saguão do aeroporto. Você quer ficar ou você quer ir junto. Vem um nó na garganta, uma vontade louca de explodir o pranto, de chorar e chorar. A despedida nos faz perceber que a pessoa que foi não voltará do jeito que está indo. Há um pedaço nela que fica com a gente. E assim são os bons tempos. Eles não voltarão. Talvez você se permita um revival. Mas nunca será do jeito de antes. Então, você encontra aquele amigo de outrora, mas não tem a mesma graça de antes. As brincadeiras de hoje são mais maduras e o humor de ambos não é o mesmo. O entrosamento parece enferrujado, perdido, ressecado. A vida e o tempo faz isso com a gente.
Sempre que eu escutar esta música do padre, me remeterei ao tempo que não volta. Não com a saudade apaixonada, mas com um desejo de fazer diferente hoje. Para que amanhã eu venha a sentir saudade dos tempos, de ontem. "Uma Vida Só" me leva a um caminho tortuoso das reminiscências... Aquele amor não correspondido, aquele gol perdido, aquela alma lavada... Tudo me faz pensar... Pensar no tempo presente. Eu sou feliz e ainda não sei.

Belo Horizonte 28 de maio de 2009.

Cairo


Por Deiber Nunes Martins

Se eu pudesse escolher, faria algumas escolhas interessantes. Gostaria de pensar num lugar para ir. Numa cidade pra conhecer. Gostaria de conhecer outras culturas, outros povos e países. Gostaria de fazer tanta coisa! Infelizmente, minha vida não permite escolhas. Já tenho os pacotes prontos e preciso me adaptar a eles. Como TV a cabo que você para assistir ao canal que gosta, precisa pagar por aquele que não te interessa. A vida às vezes é assim.
Um pacote de TV a cabo. Onde fui buscar esta alegoria? Talvez seja o fato de que o serviço que contratei está me dando dores de cabeça... Mas bem, nem sempre podemos escolher... Certa vez, li em algum lugar que a pessoa estava abrindo mão de suas escolhas, para que as pessoas que amava pudessem escolher. A vida não é feita de escolhas pra todo mundo. Hoje você abre mão, amanhã você pode dar as cartas.
Confesso que gostaria sim, de viajar. Conhecer Mônaco, a cidade dos sonhos. Gostaria de passear por Santiago, conhecer Buenos Aires. Gostaria de desembarcar no aeroporto O’Hare em Chicago. Só pra saber se é o aeroporto mais bonito do mundo... Mas não só viajar. Gostaria de poder passar ao menos um dia, sem me deparar com injustiças. Sem reconhecer que para os poderosos é de um jeito e para os pobres de outro. Gostaria sim. Gostaria de ver algum dia o meu trabalho dar algum tipo de resultado. E poder ver os frutos deste trabalho. Ao menos um dia eu gostaria de parar ao invés de ficar o tempo todo em tudo, correndo atrás do meu próprio rabo...
Uma das coisas que mais me fascina em Deus, é que Ele não faz acepção de pessoas. Assim, posso chegar a uma capela e ver uma “formiguinha” sentada num mesmo banco que um executivo. Posso ver jovens e idosos, ricos e pobres, negros e brancos, todos num mesmo propósito: adorar o Senhor. Fascina-me ver que num mundo de diferenças, Deus é um só. E nos chama a ser um também.
Se a minha vida não foi feita de escolhas, é porque Deus quer escolher por mim. E isto me basta. Sinceramente, eu queria ver um mundo diferente. Nem sempre posso ser dono das escolhas. Mas sempre posso ser propriedade de Deus. Esta é a única escolha que importa. E com ela, eu continuo a caminhar.

Belo Horizonte, 27 de maio de 2009.

terça-feira, 26 de maio de 2009

Nova York



Por Deiber Nunes Martins

Fico a pensar em nossa história, nos dias futuros. Não sou de viver o passado e por isso, quando penso em nós dois, vou além. Além do nosso tempo. E pensando no futuro, resolvi escrever este texto. Sem nenhum nexo ou motivo, mas tudo bem. Esta é a minha semana e ao menos neste tempo posso me dar a este luxo...
Eu poderia pensar em tantas ocasiões com minha amada. Tantos momentos vividos, tanta coisa boa! Nossa, eu teria todos os motivos para divagar sobre o passado. Mas atualmente, ao olhar minha querida e futura esposa, eu só consigo vislumbrar o futuro. Um tempo diferente que só pode ser imaginado. E certamente, não será como a imaginação. Mas será bom. Qualquer tempo, mesmo que fora do meu controle, fora da minha imaginação e razão tem tudo para ser bom. Primeiro, porque creio no poder de Deus em minha vida e na vida dos meus. Segundo, porque ao lado da Bi todas as coisas serão boas. Até mesmo uma topada em uma pedra. Tenho a convicção de que sofreremos muito. E falo isso com ela. Mas por outro lado, tenho a certeza de que o sofrimento que eu escolho enfrentar será bálsamo para nossas vidas. Eu tenho a consciência de que ao lado de Bi, teremos inúmeras batalhas a enfrentar. Mas tenho a certeza de que estaremos unidos. Um doado ao outro e nesta doação, Deus estará presente. Com a sua graça e com seu amor. Fruto desta doação serão nossos filhos. Hoje, eu começo a pensar na dádiva de ser pai. É um momento único na vida de uma pessoa. Ter um pedacinho seu em um novo ser, o filho. Ainda não tenho a dimensão desta felicidade. Mas a cada dia que passa, mais viva fica esta realidade em mim.
Por isso penso no futuro. Tento planejar o melhor para minha vida porque sei que o meu melhor será o melhor para meus filhos. Esta verdade está presente em nossas vidas, minha e da Bi. Mas acima disso, o meu melhor será o melhor para ela, minha futura esposa. E o melhor dela, o meu melhor. Seremos um só.
Assim, qualquer tempo no futuro será tempo de bênçãos. Será abençoada cada fração de segundo do futuro porque mesmo sendo pecador, mesmo dando minhas cabeçadas e buscando a todo custo me afastar no plano de amor de Deus, Ele me ama. E em seu infinito amor, o que vier será lucro. Com o foco no Senhor é que penso o meu futuro. Se serei um bom filho, um bom marido, um bom amigo, um bom funcionário, um bom pai, isto minhas obras se encarregarão de dizer. O que importa é o amor com que Deus me ama e me preenche. A ponto de vislumbrar um futuro santo. Seja ele qual for.
A minha amada, apenas digo o seguinte: te amo ontem, hoje, amanhã e sempre!

Belo Horizonte, 26 de maio de 2009

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Chicago



Por Deiber Nunes Martins

Precisamos de um tempo para nós...
Um tempo assim para não fazer nada
Um tempo pra te ver
Um tempo pra ser visto
Precisamos de um tempo para nós...

Há tanto tempo anseio te ver
Meu desejo foge de mim, se perde ao longe
E nos completa, nas ondas do amor
Nosso tempo sempre curto
Ilusão pra muitos, para nós a realidade...

Precisamos de um tempo
Dar um tempo,
Ter um tempo,
Tempo de amar-nos
Tempo de reencontro...

Você é minha vida e eu sei que sou a sua
Precisamos de um tempo, um tempo todo nosso
Precisamos matar esta saudade
Que invade nosso ser e se faz verdade
Precisamos de um tempo para nós...

O tempo tem sido o inimigo
Roubando vontades e desejos,
Deixando a vontade de se ver de novo
Precisamos transformá-lo em aliado
Que ele conduza o nosso eterno amor...

Tempo, tempo, tempo, é o que tanto preciso!
Tempo pra te amar, tempo pra te ver
Tempo de sentir você e ser sentido também
Enquanto eles precisam dar um tempo
Nós precisamos dar um tempo para nós...

Precisamos de mais tempo para amar.

Belo Horizonte, 25 de maio de 2009.

domingo, 24 de maio de 2009

Bruxelas


Por Deiber Nunes Martins

Acaba esta saudade do meu peito
Eu preciso insanamente de um café bem forte
Pra espantar a morte, e tudo mais que tenha feito
Nesta história não há lugar pra tanta sorte...

Verdade é o que vivi nesta cidade
A tristeza é só um lugar ainda não visitado
Eu tenho amado, tenho sofrido, de verdade
E com a felicidade minha vida tem flertado.

O amor que eu busquei está bem perto
Preciso agora acabar com esta dor
Um amor assim tão natural e tão certo
Preciso agora me render a este sabor.

Mas eu vou ficar bem, vou viver sim
Meu amor me leva, me guia me conduz
E a cruz, estará pertinho de mim
Eu sempre precisarei de uma luz.

Amor, felicidade é ter você comigo
Serei mais eu com você do meu lado
Tenho sonhado, mas o sonho é meu amigo
Somos espelhos vivendo o amor tão esperado.

Belo Horizonte 24 de maio de 2009

Semana das Cidades

Esta semana, semana do meu aniversário, resolvi dedicar as cidades. Lugares como quaisquer outros, onde pessoas vivem, pessoas nascem, crescem, enfim vivem suas vidas um dia de cada vez.
A esta semana, a começar deste domingo, 24 de maio, darei o nome aqui neste blog de Semana das Cidades.
A todos, meu abraço!
Deiber Nunes Martins.

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Coitada da Rotina...


Por Deiber Nunes Martins

As pessoas se reúnem nos bares, nos clubes ou em programas de televisão para discutir a crise. Mas a crise que estou falando é outra: não é a crise financeira e sim a crise da família, a crise do casamento.
Não conheço as estatísticas, mas ouvi de uma amiga, uma mulher bem feminista e radical em relação às famílias, que o número de divórcios hoje é superior ao de casamentos na maior parte do mundo. Eu que sou um cético convicto, não creio muito neste lance de amostragem e margem de segurança: acho que a amostra sempre pode estar manipulada, enviesada, contaminada.
Mas ficam algumas idéias em minha mente. Por que o casamento é hoje uma instituição falida, como apregoam artistas e personalidades importantes na TV? Eu que estou prestes a me casar, não tenho respostas para esta pergunta. Mas tenho idéias...
Primeiramente, o casamento tem sido mostrado e evidenciado como um contrato social. Um contrato onde as duas partes se comprometem a realizar cada um a sua parte no acordo, sob a vigilância até mesmo extremada de órgãos e agências de regulação e controle. E neste ponto, saem de cena as ANAC, ANATEL e ANEEL da vida para tomarem suas posições, pais, mães, sogros, sogras, irmãos, irmãs, tios, tias, primos, primas, enfim, família. A cada casal que se decide pelo casamento é uma luta! O pai pressiona de um lado, a sogra pressiona do outro. O sogro se coloca indiferente quando na verdade está querendo esganar o genro intruso que lhe rouba o diamante precioso. A sogra se enche de mimos com a nora, quando na verdade gostaria de esganá-la pelo mesmo crime. Família...
Mas na verdade, a família exerce certo tipo de pressão sobre os noivos porque ela (família) sabe que está em xeque. Os tempos modernos, a era digital, o Big Brother, as mulheres-fruta, enfim, tudo representa oposição a família e esta padece. Está falida. Com os dias contados, a cada casal de namorados que decidem ficar noivos, um fio de esperança renasce.
A vida é rude, o sistema, brutal. Casais enfrentam crises antes mesmo de se casarem. No noivado, as brigas já aparecem. As crenças se misturam e viva a maldita diferença! Um correndo para um lado o outro para o outro. Ninguém se entende. Acabam se casando. E acabam se separando a seguir.
Quando não se separam, ficam a filosofar sobre a existência deste ser único, formado por dois - marido e mulher. A seguir um típico modelo "receita de bolo", um texto apócrifo cunhado na internet, um libelo de auto-ajuda aos casais:
O segredo do casamento não é a harmonia eterna. Depois dos inevitáveis arranca-rabos, a solução é ponderar, se acalmar e partir de novo com a mesma mulher. O segredo no fundo é renovar o casamento e não procurar um casamento novo.
Renovar o casamento e não procurar um novo. O que isso quer dizer? Fugir da rotina, o bode expiatório dos divórcios. É fácil dizer: não suporto rotina. É um daqueles chavões de pessoas em estado completo de mediocridade tipo, "meu defeito é ser perfeccionista".
É fácil colocar a culpa na rotina quando um casamento não dá certo. Quando um casal se divorcia, é comum uma das partes dizer que a rotina matou o casamento. Mas será que esta mesma parte que se queixa da rotina, experimentou a Graça da empatia (colocar-se na posição do outro)? Se na Igreja, junto do padre, o casal se transforma em uma só carne, porque tamanha dificuldade em serem empáticos um com outro? Talvez seja porque quando casam, o fazem por si mesmos e não pelo outro a quem dizem amar...
O texto apócrifo ainda fala sobre sair pra dançar, viajar em segunda lua de mel... Bom, eu não sei dançar, então to lascado! Quantas famílias vivem com um salário mínimo, menos de quinhentos reais? Viajar como? Ainda mais em lua de mel? Existem situações profiláticas que não se aplicam ao todo. É como o médico que insiste naquela dieta de comer frutas raras e caras, como se o paciente tivesse nascido em berço esplendido. Ninguém pensa que o cara pode ser um capitão de indústria. Então as soluções apresentadas são fantasiosas, ou então pra serem vividas no País das Maravilhas.
Falta pensar um no outro. Não é preciso pensar que estão de caso novo quando na verdade o caso é único. O "papo é reto" quando Deus une, nada separa. Eu vou ficar inventando bobeira? Caso novo com a mesma mulher? Bobagem desvairada... A cada dia que passa mais casais se rendem as práticas mundanas. Acreditam que uma relação apimentada pela pornografia, pela prostituição, pelas casas de swing, orgias e afins, renovarão o casamento. Quantos casais geram lucros aos sex-shops, pelo simples ato de pensar o sexo como um processo de renovação contínua, de mudança contínua. Tipo aquelas tecnologias japonesas que infestaram as empresas na década de oitenta.
Enfim, tudo em busca de matar a rotina. Matar a tal repetição diária. A vida é uma rotina. Deus criou o sol para marcar o dia e a lua para marcar a noite e nunca mudou isso. Se Deus não gostasse da rotina, cada dia começava com um sol diferente.
É preciso aos casais viverem a harmonia do amor. É preciso viver o matrimônio, a doação. Um precisa carregar o outro sempre. Hoje eu não estou bem, respeite o meu mal-humor, amanhã eu te compenso com o carinho que faltou hoje... É preciso voltar-se para o outro, envolver-se no universo do outro, para que ele(a) não se sinta sozinho(a). A pior solidão é aquela que você vive com você mesmo. E o outro não se importa. A pior dor é aquela que não dói, mas que gera indiferença. O pior amor é aquele que não se vive, se diz. Ou nem isso.
O casamento tem falido porque o egocentrismo tem lucrado. Enquanto se coloca a culpa na rotina da vida que nada tem a ver, o mundo egoísta vai ensinando suas práticas nefastas, cultivando a mágoa, o ressentimento, o divórcio, advogados, argh! E coitada da rotina... acaba pagando o pato.

Belo Horizonte, 13 de Maio de 2009


Belo Horizonte, 13 de Maio de 2009

domingo, 10 de maio de 2009

Pegadas da tua Ausência


Pe. Fábio de Melo

Tua presença meu Senhor posso notar
Vejo as pegadas que deixaste
Em nosso altar
Onde em mistério tu te mostras
Sem que os olhos possam ver
Mas o percebe o coração que sabe crer

Crer que o altar é o lugar da comunhão
Onde humano e divino dão-se às mãos
E os sabores desta terra
Se misturam aos do céu
Frutos da vida que nos mostram
Quem tu és

Te adorarei, Senhor, de todo coração
Te louvarei, te bendirei
Te glorificarei, Senhor
E enquanto espero e tua volta
Eu volto aqui
Te receber em mim eterniza a minha vida

Tua presença meu Senhor posso sentir
Vejo as pegadas que deixaste
Em meu jardim
Onde as belezas desta terra
Prenunciam as do céu
Só pode ver o coração que sabe crer

Crer que o eterno neste tempo já se faz
E a vida humana neste altar é muito mais
Nele antecipa-se à chegada
De quem nunca se ausentou
Pois a saudade é uma forma de ficar.


Meu Senhor, quando não falas, é que eu te escuto mais claramente. No silêncio da vida, no quarto escuro em uma noite mal dormida, no silêncio do Sacrário ou simplesmente no contemplar da natureza, é que suas palavras mais ecoam em meus ouvidos. Perdão, Senhor, por nem sempre te escutar. Perdão Senhor, por deixar os atropelos da minha vida, a volúpia dos meus pensamentos, passarem a frente dos teus conselhos.
Obrigado Senhor, por me mostrar que em meio a ausência humana, com tanto egoísmo, desamor e indiferença, há a Tua presença. Que a cada dia mais, eu possa ser um instrumento Teu. Muito obrigado, Senhor.

Dona Otília

(Homenagem às mães)

Por Deiber Nunes Martins

Minha história com mamãe sempre foi de muito amor. Com seu jeito amável, ela foi modelando tudo o que eu sou hoje e principalmente, Dona Otília é a responsável direta pelo coração que tenho. Ela me ensinou a agir com amor em tudo o que eu fizer. E mais ainda, me ensinou a ser filho.
Se o expresso da minha vida está se encaminhando para novas estações, minha mãe tem boa parte de culpa. Nunca me esquecerei dos seus esforços pelos meus estudos, do seu empenho em me preparar para a vida. Graças a ela, pude perceber o quão importante é fazer a diferença na vida do outro. Pois ela fez a diferença na minha vida.
Tive todas as oportunidades e todos os caminhos possíveis para seguir. Mas devo a minha mãe a sabedoria de seus conselhos. Quantas e quantas noites em claro, conversando, divagando sobre a vida e sobre o mundo. Graças a estas conversas, eu hoje estou aqui. E bem ou mal, mesmo com alguns tropeços, fiz as melhores escolhas que poderia fazer. E graças a Dona Otília tenho maximizado os meus acertos e minimizado os meus erros.
Ah os erros. Nem sempre a gente acerta. E boa parte dos meus erros, aconteceram quando deixei de lado os conselhos de mamãe. Ou quando não dei ouvidos ao que ela dizia. Meus arrependimentos não foram do erro em si e sim de ter perdido a oportunidade de escutar a sabedoria de minha amada mãe.
A senhora, Dona Otília, todo o meu incondicional amor. Peço perdão se em algum momento deixei de ser um bom filho. E digo neste dia todo teu, o quanto preciso da senhora. Novas batalhas eu vislumbro pela frente. Mas meu coração segue tranqüilo, porque caminha no compasso do teu, minha mãe. Que a Virgem Maria, exemplo maior de mãe possa te encher de bênçãos, de saúde e de vida. Mãe, eu te amo!
A todas as mães, que com amor incondicional doam suas vidas por teus filhos, um feliz dia das mães. Que Deus abençoe a todas vocês.


Belo Horizonte, 10 de maio de 2009.

sábado, 9 de maio de 2009

Nem Sempre Acontece

Por Deiber Nunes Martins

Em meus devaneios,
Penso em cada coisa
E me esqueço do principal
Estamos lutando há dias
Pelo que é certo
Mas eu só queria satisfazer uma vontade
Ter você aqui esta noite
Venha para mim
Eu preciso de você
Não me deixe aqui sozinho
Nós somos espelhos um do outro
E nos encontramos um no outro
Mas nem sempre tudo sairá como planejamos
Enfrentamos o mal todos os dias
Você e eu, pode dar certo
Dois em um só coração
Eu não preciso que me digam o que fazer
Nem o que dizer
Só preciso do seu olhar
Em minha direção
E nada mais
Eu preciso de mais um tempo
Não posso ficar assim
Veja, o que vai ser de mim?
Se você é o horizonte que tanto almejo
Você é a razão da minha vida
E eu não sei mais viver sem você
Eu tenho apenas uma esperança
Não me deixe aqui sozinho!
Nem sempre as coisas saem como o planejado
As vezes não saem
Mas é o melhor que eu posso fazer
Tente entender
E aceitar
Eu te amo.

Belo Horizonte, 09 de Maio de 2009.

quinta-feira, 7 de maio de 2009

A torcida atleticana é um barato


Por Deiber Nunes Martins

Quem não mora em Minas, talvez não conheça a marca registrada deste Estado: a torcida atleticana. Ser torcedor do Galo é um barato! Sofremos com a derrota, sobretudo as mais acachapantes e para o rival azul. Mas insistimos. O Atlético é algo que está impregnado no nosso sangue, no nosso DNA, na nossa alma. Perdemos de cinco para os refrigerados e na semana seguinte, já estamos de novo, com radinho no ouvido torcendo para o Galo Doido.
Quarta-feira, vagão de metrô em Belo Horizonte, dez e meia da noite. Dezenas de pessoas, em sua maioria, jovens voltando da escola. E a maioria com fonezinho no ouvido. Cada pessoa, cada um absorto em seus pensamentos, em suas músicas em suas vidas. Ou então com a atenção grudada no jogo de futebol.
Era o Galo no Mineirão, enfrentando o Vitória da Bahia. Coitado do Vitória! Quando é que seu time vai ver uma torcida como a nossa? Alegre, vibrante e fiel. Mesmo diante dos três “cocos” que havíamos tomado no Barradão na semana anterior. O atleticano tem alma, tem paixão. Ele respira Clube Atlético Mineiro. Mesmo quem não curte futebol, pode curtir o Atlético. Muitos, torcem para o Galo, por causa da torcida. Mas o Atlético é como um parente bem próximo: seja como for, nós o amamos.
Pois bem. Naquele jogo difícil, na ânsia de furar o ferrolho baiano, uma retranca descabida e o jogo asqueroso dos baianos, fazendo cera até no minuto de silêncio, todo torcedor atleticano sabia que era importante naquela situação, fazer o primeiro gol antes dos trinta minutos iniciais. E ele veio. Jogada bem feita, conclusão de Renan para o gol vazio. Galo um a zero.
Foi então que o momento mágico aconteceu. Momentos como este é que fazem o torcedor cruzeirense, rasgar-se de inveja mesmo com um título ganho em cima de nós debaixo do braço. No momento do gol, todo o vagão pulou de alegria. Parecia um jogo de copa do mundo. Cruzeirenses e os demais passageiros, alheios ao jogo, tentavam se fazer indiferentes, mas não conseguiam. A torcida do galo contagia. E quando se percebe, todo mundo tá cantando o hino. Até um jovem com a camisa da Máfia Azul tamborilou com as pontas dos dedos no banco, o hino alvinegro.
O jogo terminou três a zero para nós. Foi para os penais. E nos pênaltis deu Vitória. Mas quem disse que o torcedor atleticano se deixa abater? Hoje nas ruas de nossa Belo Horizonte, via-se mais camisas alvinegras que as azuis. Ser torcedor do Galo é um barato!

Belo Horizonte, 07 de maio de 2009

O Expresso


Por Deiber Nunes Martins

Seguindo em velocidade constante, com paradas bem calculadas e destinos desconhecidos, segue o expresso da minha vida. Não sei por onde vai passar, nem onde a viagem terá seu fim. Mas suspeito onde e quando vai ser a próxima parada: no lugar ideal do meu repouso e as vésperas da primavera.
Amigos alegrem-se! É o meu expresso chegando. Quase sempre não visto. Quase sempre esquecido. Mas sempre constante, sempre presente e com a pontualidade do Céu. Eu não sei o que vai acontecer amanhã, não sei quais desafios serão encontrados nos trilhos. Mas sei que a próxima estação vai chegar. Ela está no alto de um morro e tem uma imagem de São Sebastião dentro dela. E meu coração me diz que nesta estação vou encontrar a Mulher da minha vida. Então, eu preciso aqui mesmo, no meio do caminho, me preparar. Ir me arrumando. Penteando os cabelos, lavando meu rosto amarrotado. Vestindo minha roupa de baile e indo ao vagão restaurante comer alguma coisa, pois ninguém é de ferro. Eu quero muito isso.
O expresso está chegando. Em breve. Que Deus possa conduzir esta viagem e fazer com que tudo saia conforme a Sua vontade. Porque se não, o trem não chega e se descarrila no meio do caminho. É assim que acontece quando tiram Jesus do comando. Fica ai no controle, meu Jesus. Tu és o maquinista do Expresso da minha vida. E sempre vai ser. Com Tuas mãos no controle deste trem eu fico tranqüilo. A espera do meu amor. Apenas confesso, Senhor, estou ansioso e minhas mãos trêmulas e suadas. Mas louvado seja, meu Deus! Chegaremos em breve, à próxima parada.

Belo Horizonte, 07 de maio de 2009.

sexta-feira, 1 de maio de 2009

Espelhos


Por Deiber Nunes Martins

Você e eu somos espelhos
E o mundo podemos mudar
Lutamos contra tudo e contra todos
Um amor distante, um lugar.

Venha comigo,
Renuncie-se
Renda-se,
Ame-me.

Temos tanto a fazer, tanto a sentir
Somos espelhos neste louco amor
Sou o teu retrato pendurado na parede
Sua dor é igual a minha dor.

A vontade que tenho é de ir pra longe
A um lugar distante de mim
Onde nada possa alcançar
A um lugar onde o amor não tenha fim.

Se você quiser vir
Eu te levarei para longe de nós dois
Para longe, bem distante
E o lugar nós vemos depois.

Você diz que eu não te entendo
Você não diz o que está sentindo
Eu sofro com suas dores
Eu sou feliz sem estar sorrindo.

Venha comigo, me entenda
Sinta o que eu sou e espero
Me encha de amor, eu preciso
Meu Deus que desespero!

Situação,
Decepção,
Separação,
Desolação
Traição,
Condenação,
Intenção,
Agressão...

Compreensão, perdão, redenção...

Se você vier,
Seremos um só nesta jornada
Somos espelhos um do outro
E você é tão esperada!

Mas enquanto você não vem
Eu te procuro, eu te preciso, eu te amo
Em meus sonhos, você está chegando
E nas manhãs eu sempre te chamo.

Belo Horizonte, 01 de Maio de 2009.

domingo, 26 de abril de 2009

Notas sobre o Desastre

Por Deiber Nunes Martins

Era para ter sido uma festa. E em uma festa, coisas boas acontecem. Pessoas sorriem, ficam felizes. Uma festa é uma festa. E não seria diferente esta tarde no Mineirão. Não seria diferente, se o lado atleticano tivesse motivos para se congratular. Não teve nenhum. O Cruzeiro ganhou de goleada, mais uma vez, cinco a zero e conquistou na prática o campeonato mineiro de 2008.
O lado atleticano, impassível, assistiu ao time azul mais uma vez, fazer chacota com o amor desta torcida apaixonada, que é a atleticana. Uma razão muito simples: foi-se o tempo que jogador de futebol colocava a paixão no bico da chuteira. Talvez, embaixo do solado de uma chuteira, você encontre até um cartão de crédito. Mas amor pela camisa que veste, não.
De todo modo, não se pode chamar de mercenários os jogadores atleticanos. Coitados. Eles bem que tentaram. Tentaram fazer diferente. Tentaram devolver ao time a dignidade. Mas não conseguiram. Foram infelizes no tentar, no proceder. E o Galo Forte Vingador ficou desta enfeitiçado pelo maldito “SE”: “Ah se o Rafael Miranda tivesse cortado aquele passe desconcertante do Wagner!”; “Ah se o Leão não tivesse desmantelado o time, colocando o Kleber no lugar do Márcio Araújo(quando eu poderia imaginar que sentiria falta do futebol do Márcio Araújo!)”; “Ah se o Leandro Almeida tivesse marcado o Leonardo Silva nos dois lances e não a bola!” “Ah se o Renan não tivesse sido expulso...”; e por ai vai.
Reclamaram da arbitragem. Não hoje. No primeiro jogo, lá atrás, na fase de classificação. Colocaram a boca no trombone acusando tudo e todos de formarem um complô contra o Galo. Tudo num jogo que não valia nada! Tudo pra tentar justificar o injustificável: o Galo é hoje pior tecnicamente que a Raposa. Eles têm o melhor time! É duro de engolir, mas é a verdade. E pasmem: demorará pelo menos uns dez anos, para podermos sonhar com uma supremacia atleticana em Minas Gerais.
Mas eles reclamaram da arbitragem. Chamaram juiz mineiro de ladrão e pediram juiz mineiro na final. Os cruzeirenses espertos ganharam à simpatia da Federação e impuseram juiz de fora. Na verdade, um juiz em fim de carreira. E como tal, bem mais passível a erros que qualquer outro. E neste caso voltamos ao maldito “SE”, que se (risos) entrasse em campo todos os times seriam campeões: “Ah se juiz tivesse expulsado o Jonathan quando ele isolou aquela bola num lateral do Galo: ele não teria feito os dois gols que fizera!”
De todo modo, não é culpa da arbitragem. Também não é culpa dos comentaristas que em uníssono apontaram o time azul estrelado como o virtual campeão antes do jogo começar. Também não é culpa do Leão. Também não é culpa do Kalil. Também não é culpa do Cruzeiro. A culpa é nossa, torcedores apaixonados demais pra perceber que o time atleticano ainda é inferior e necessita de reforços que não serão contratados. A culpa da derrota de hoje e de todas as outras é a nossa paixão, que nos cega impedindo de vermos o óbvio.
Diante disso, eu reconheço como torcedor, que hoje o Atlético Mineiro não têm condições de encarar não só o Cruzeiro, mas nenhum outro time de ponta do futebol no Brasil. Tudo bem, temos o Tardelli. E temos o Júnior. Mas futebol é coisa pra onze em campo e outros onze fora dele...
O jogo de hoje era pra ter sido uma festa. E foi. Que pena, Galo que você não pode comparecer!

Belo Horizonte, 26 de abril de 2009.

Música para o Deiber


Por Deiber Nunes Martins

Para quem não tem momento
Para quem não tem razão
Este é meu sentimento
Este é meu coração
Que não pode mais, não pode mais sofrer assim...

Como se eu estivesse tão perto do amor
Que ele pudesse ser visto e tocado
Mas é só um sonho, maldita dor
Amor que não pode ser cuidado.

E por não ser cuidado dói demais
Arrasa meu ser esta dor tirana
Corrói o meu peito e tudo mais
Acabe logo comigo dor insana!

Desejo ir pra longe de mim
Mas acima de tudo desejo ficar
Mesmo sofrendo tanto assim
Sou feliz por tanto amar.

E neste mistério vou sofrendo vivendo
Amor que é amor prova mesmo toda dor
Inebriado, continuo sofrendo
Nenhum mal acabará com meu amor.

E mesmo o sabor amargo da bebida
Não tira da boca o sabor daquele beijo
Último lampejo da despedida
Últimos suspiros de um louco desejo...

Para quem não tem momento
Para quem não tem razão
Este é meu sentimento
Este é meu coração
Que não pode mais, não pode mais sofrer assim
Que não pode mais, não pode mais viver assim
Que não pode mais estar longe de mim.

Belo Horizonte, 26 de Abril de 2009.

quinta-feira, 16 de abril de 2009

Música para Bá


Por Deiber Nunes Martins

Flores para o meu momento
Flores para quem me amou
Flores para o nascimento
Flores para quem voltou

Meu coração é como uma flor
Finda o verão, ela murchará
Com o outono, encolhe o amor
Mas eu sei, ela voltará!

Ela um dia me disse o amor
Eu aprendi no teu perdão
Não tenho mais temor
Não vou errar a canção.

E um dia ela vai voltar eu sei
Meu verso durará o tempo que for
E minha verve, um dia reviverei
E mostrarei todo o meu amor.

Oh amada, cura o meu coração sofrido
Cuida desta flor maltratada
Faz de mim, seu amado, seu marido
E fica comigo, minha doce namorada.

Talvez o tempo demore a passar
O tempo que parece ser algoz
Nunca amou e não nos deixa amar
Lentamente ele passa por nós.
Lentamente veloz....

O dia de hoje eu queria beber
Esquecer a tristeza do meu verso
Entornar a vida velha e renascer
Ser desta baiana, verso e reverso.

Flores para o meu momento
Flores para quem me amou
Flores para um sentimento
Flores para quem deixou.

Flores para o meu momento
Flores para quem me amou
Flores para o meu tormento
Flores para quem me olhou...

Flores para o meu amor!

Belo Horizonte, 16 de abril de 2009

domingo, 29 de março de 2009

Recortes de Vida


Por Deiber Nunes Martins

Aqui sofre um pobre homem
Perdido na desordem do seu coração
Encontrado na ventura de um amor
Nunca desiste, sempre o mesmo sonho
Um dia uma noite, um fim de semana
Ele parte em busca de uma chance
Mas ele não tem muito tempo pra viver
Pois quando se vê, as luzes se acendem
Você acorda, levanta e morre.

Vamos pra casa, mamãe
Esquecer esta droga de noite
Esquecer este lugar, esta vida
Abaixo a pizza emborrachada
A cerveja quente, o papo furado
Vamos pra casa viver um pouco mais
Nos conhecer um pouco mais
Porque quando você vê, as luzes se acendem
Você acorda, levanta e morre.

Acho que ela ainda gosta de mim
Ela não diz, tem coisa que não se fala
Mas eu não morro em vão, ela se preocupa
Assim eu vou vivendo a vida
Ela tem um noivo, sabia?
Mas eu não desisto desta mulher
Eu não desisto de viver um grande amor
Porque quando se vê, as luzes se acendem
Você acorda, levanta e morre.

Há um amigo motorista, um grande amigo
Ele nos guia pelas ruas da cidade falida
Eu espero o momento do dinheiro
Olho a dispensa vazia e fico a lembrar
Do tempo em que feliz eu era
A recordar das baratas e tatus
Você também tem o seu medo, siga em frente
Porque quando você vê, as luzes se acendem
Você acorda, levanta e morre.

Continua guiando o meu amigo
A viagem é louca, mas a aventura sedutora
O prazer que se tem em ver a vida fervilhar
Pessoas a caminhar, ruas quentes de gente
Homens, carros, mulheres, em toda direção
De repente sou golpeado, o sangue escorre na garganta
O fim ta chegando e só se vê formigas caminhando
Recolherão a paga de mais um dia
E quando se vê, as luzes se acendem
Você acorda, levanta e morre... espera!

Me deixa ficar com você
Me perdoa por ter sido tão mal
Me ame como sou com meus defeitos e males
Me faça feliz do seu lado
Me dê a alegria de ser o teu amado
Me leve pra longe deste mundo egoísta
Porque quando nós vemos, as luzes se acendem
Nós acordamos, levantamos e morremos.

As luzes se acendem
Você acorda, levanta e morre.

Belo Horizonte, 29 de Março de 2009.

terça-feira, 3 de março de 2009

Tela de Cinema


Por: Deiber Nunes Martins

Quando as luzes se acendem
Seu tempo é só de acordar
O que se fez está feito
O relógio atrás não vai voltar...

Uma confusão que nunca pára
Um dia após o outro dia
Uma noite após a outra noite
Você dorme em meio à alegria...

Há gente na praia, há gente no porto
Pessoas a beira da piscina bebendo cerveja
Outras, à mesa jogando cartas,
Irônica euforia benfazeja...

Um amor vai, outro vem
E nós aqui nesta sala escura
Sedento estou, da luz do luar
Inebriado nesta aventura...

Queira, por favor, deixar de ser vítima
Ninguém virá pra te salvar
Largue a porcaria do teu mise èn cene
Lute por quem está a te amar...

O mundo expurga quem errou
Sem receio, perdão ou quarentena
E você, se matando aos poucos,
Numa tela de cinema...

Não é quem foi contra você
Mas sim os problemas que quis ter
Não adianta agora ficar morgada
Sonhando com o que queria ser...

Você perdeu o bonde da história
Esperando quem não vai chegar
Não é o nascimento a sua glória
E sim o louco que’stá a te amar...

Em um dia, inúmeros papéis
Em poucas horas, tantos amores
E nada nos sacia, nada nos completa!
Vontade, desejo, agonia e dores...

As luzes se acendem, aplausos!
A emoção toma conta do lugar
Mas no fim das contas é só você
E você só tem o tempo de acordar.

Canavieiras, 23 de fevereiro de 2008.

Sempre há um Recomeço


Por: Deiber Nunes Martins

Às vezes, sou invadido por uma força bem maior que eu. Uma força que me faz querer recomeçar. Como se tudo o que eu escrevesse na areia da praia tivesse sido apagado pela maré alta. Mas com esta força, eu escrevo tudo de novo. Muitas vezes, meu discurso ecoa pelo ar, e se perde ao longe, no horizonte. Eu insisto, e falo de novo! Há uma força em mim que me faz ser assim. Quando não quero.
E sempre recomeço tudo. Mais uma vez. Sou redundante, enfadonho, chato. Mas não desisto. Quero me fazer ouvir. Mas às vezes, não digo nada. O silêncio fala mais que as palavras. Basta querer ouvir. Mas querer de verdade, olhar nos olhos e sentir as palavras que brotam no meu ser. É disso que preciso. E isso me dá forças pra continuar. Sem esta força, não há recomeço. Eu não poderia ir além.
Há um mar imenso dentro de mim. Um sentimento tão grande, tão forte, uma poesia tão insana, que não quer sair. Um desejo tão profundo de pôr pra fora, tudo aquilo que eu guardo e que me machuca. Quero recomeçar a todo dia. Quero pôr pra fora este desejo. Mas quando insisto em pôr pra fora este sentimento, ele insiste em estar aqui dentro.
Tem horas que é duro recomeçar. Saber que não aconteceu como você queria. Não saiu como queria. É doído, cruel, difícil... Dói na carne e na alma. Mas sempre há um recomeço.

Canavieiras, 23 de fevereiro de 2009.

Surrender


Por: Deiber Nunes Martins

Duas cidades, duas estações nos separam
Você está tão longe de mim
Como o inverno, do verão
Você está tão longe
E ao mesmo tempo tão perto.

A razão da nossa distância
É você não poder sentir o que sinto
Ou não poder ver o que vejo
Você só pode estar longe, mesmo quando perto
É como você sempre esteve
E agora, eu estou tão cansado!
De tanto andar sozinho neste mundo
Mesmo tendo você sempre ao meu lado.

Em algum dia da minha vida, serei rendido
A esta dona que me faz ser amado
Nosso amor é o nosso caminho
E estaremos juntos, lado a lado
Em pensamentos, palavras, amores e ações
Mas saiba hoje que’u estou cansado
Estou longe de te entender
Mas em meu coração, você está por perto.

Canavieiras, 23 de fevereiro de 2009.

One Life, One Day


Por: Deiber Nunes Martins

Em um dia vivi,
Todas as histórias da minha vida
Andei por lugares bem distantes
Conheci lindas mulheres
Beijei lábios que tanto sonhei pra mim
E deixei pelo caminho tantos amores
Mas o dia chegou ao fim...

No céu, esquadras rasgavam as nuvens
Mísseis teleguiados arrasavam meus ouvidos
Destruíram todas as minhas defesas
O inimigo que não era meu
Tão forte a ponto de acabar comigo
Artilharia pesada me condena a solidão
Num esforço pueril tento me erguer
Mas em gotas se esvai, meu coração.

É o amor que tenho, amor andante
Pulsante, jaz em todo meu ser
Sigo perdendo minha voz e meu sangue
E vejo gente querendo morrer em meu lugar
Mas ninguém pode estar onde estou
Ninguém pode amar como eu amo
Meu Bem Querer, minh'alma, minha vida
O meu amor não tem lugar
Vive aqui, vive acolá, na Bahia
Terra aprazível, onde entrego o meu ser
E tudo mais que vivi em um dia.

Canavieiras, 23 de fevereiro de 2009.

segunda-feira, 2 de março de 2009

One Day, One Life




Por Deiber Nunes Martins

Um dia se passou
Voei bem alto
O céu namorando o mar no horizonte
Mas não posso ir adiante
Caminho errante, vou fazer
Mas sei que vou morrer
A um lugar, eu posso estar
Um lugar no coração

Vou ao meu limite
Acredite! Não posso mais
Romance andante adiante
Errante, não posso errar
Brisa pequena e suave,
Mulher ardente, morena
Ao seu lado quero estar
No lado do coração.

Um dia se passou
Ao teu lado não estou
Será este o meu fim?
Será sempre assim?
Chorar enquanto dançam
Sofrer enquanto cantam
Queria todo poder
Queria poder ter
O teu coração...

Canavieiras, 23 de Fevereiro de 2009.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

Quem me segurou...


Por Deiber Nunes Martins

Quem me segurou foi Deus, com seu amor de Pai... Este é o verso de uma canção que marca a minha vida. E marca a vida de muitas outras pessoas. Muitas pessoas já foram seguras por Deus de cometer um desatino, uma besteira, grave ou pequena, não importa, mas uma besteira, que poderia causar sofrimento a si mesmo ou a outrem. E Deus por tanto nos amar, acabou não deixando acontecer...
Certa vez, aprendi que Deus não interfere na ordem natural deste mundo, para não nos tirar a liberdade de escolha, o livre-arbítrio que possuímos, por amor incondicional Dele, nosso Pai. No entanto, Deus não interfere em nossas escolhas, mas nos dá subsídios para que possamos escolher. É assim que Ele age que Ele nos segura. E foi assim comigo. E certamente, com você também.
Deus muitas vezes, bate em nossa porta. Pede permissão para entrar e cabe a nós a escolha de recebê-lo, ou não. Mas o importante, é que Deus nos faz bem. Deus quer o melhor para nós. Então, nossa escolha pode ser embasada por este argumento, quando nada mais bastar.
Este subsídio que Deus nos oferece, está em sua Palavra, está na oração. Está no estar diante de Deus, desprovido de tudo e cheio apenas Dele. Mas quando estamos cheios de Deus, não precisamos escolhê-lo, porque Ele já faz parte de nós.
Infelizmente, muitas vezes estamos fracos. Bate aquela vontade de ficar parado. Não dá vontade de se alimentar da Palavra de Deus. E sentimos fracos até para rezar um “Pai Nosso”. Quantas vezes eu já me senti assim? E você também? Pergunte a si mesmo quantas vezes foi assim com você.
Então chega o derradeiro momento. O momento da decisão. O momento que o inimigo nos espera. Ele sorri para nós. Mas não é um sorriso de boas-vindas, de amizade. É um sorriso de triunfo. Ele sente nossa fragilidade e vê que tem vitória certa. É como faz o Flamengo certas vezes em que vai jogar. É um time que tem mania de achar que já ganhou uma partida. Vê o adversário e o menospreza. Assim, o tentador faz com a gente, certo de que já nos ganhou. Também, damos todas as dicas para ele, dizemos: “eu não to agüentando mais”, ou “meu caso não tem solução”, ou ainda, “eu não consigo”. Infelizmente, nestas horas não nos lembramos de que Jesus nos disse: “Coragem! Eu venci o mundo.”
A nossa escolha está a nossa frente. Como um prato de comida. Como uma prova que precisa ser feita. Como uma milha que precisa ser caminhada. Mas, vamos em frente, não é? Precisamos ser fortes em Deus. Porque quem nos segura é Ele. Quem nos livra do mal é Ele. Mesmo que esteja lhe doendo agora, ajoelhe-se e louve ao Senhor, porque o que você está vivendo é o melhor que poderia viver. O drama poderia ser pior. O buraco poderia estar mais embaixo. Portanto, ajoelhe-se e dê Glórias ao Senhor. Nosso Deus e Salvador. Porque Ele é bom! E te ama muito! E confia em você também!
Todas estas palavras tenham certeza, vale talvez até mais para mim, que vos escrevo, que para vocês.

Belo Horizonte, 12 de fevereiro de 2009.

sábado, 7 de fevereiro de 2009

Caminhar é Preciso


Por Deiber Nunes Martins


Tem certas horas que temos dificuldade em enxergar o outro e damos total prioridade a nós mesmos, aos problemas que enfrentamos. Situações como essas fazem com que vivamos em um mundo fechado, sem palavras, egoísta, sem amor. A indiferença nos leva a tristeza e a um quadro depressivo, diante de um mundo nefasto. A maldade do mundo nos atinge quando paramos. Quando paramos pra observar o erro do outro. Quando paramos no mal que alguém nos fez. Quando paramos para discutir o indiscutível. Quando paramos para ver os piores momentos. Mas a felicidade é construída pelos melhores momentos. Os piores até existem, mas são efêmeros. Não devem ficar.
Na história de sua vida, certamente, você já viveu bons e maus momentos. Quais momentos ficaram? Onde você parou em sua vida? Onde você avançou? São perguntas simples, mas que podem nos levar a uma verdadeira “faxina” em nosso interior, podem fazer a diferença.
Conheço uma pessoa que vive uma série de dilemas em sua vida. Sofre e sofre muito, por amores passados, por desejos futuros, situações que deixou de viver, por dores mal vividas. Na verdade, esta garota parou em seus sofrimentos, em seus traumas. E esqueceu de prosseguir...
Tenho vivido situações diversas em minha vida. Vejo que estou me aproximando de um ponto de mudança em minha história. Algo está para acontecer que pode mudar tudo, a qualquer momento. Mas este momento de graça, de mudança, só me é possível quando eu não paro para remoer meus fracassos. Meus erros e minhas limitações. Se não estou bem aceito em um meio, vou para outro. Se me faltam os amigos, não me faltam as pernas para caminhar e para meditar. Para conversar comigo mesmo, me aproximar mais de mim. É claro que em momentos decisivos, você quer viver ao lado de quem amo, ou quero a ajuda de quem me ama. Mas eu não tenho, então não posso parar pra chorar por isso. Posso contar com a minha amizade, cuidando bem de mim. E posso contar com Deus também, me amparando e me guiando num caminho só Dele. Feito para mim.
Mesmo assim, eu sou humano, repleto de fraquezas, de pecados, de falhas. E de medos. O meu maior medo é não deixar Deus fazer a vontade Dele em mim, em minha vida. É tomar as rédeas do meu caminho sozinho. Mas não vou parar no meu medo. Vou prosseguir. Deus caminha comigo.
Vamos em frente?

terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Amor Pra Recomeçar


Música de Roberto Frejat

Eu te desejo não parar tão cedo
Pois toda idade tem prazer e medo
E com os que erram feio e bastante
Que você consiga, ser tolernate

Quando você ficar triste que seja por um dia
E não o ano inteiro
E que você descubra que rir é bom
Mas que rir de tudo é desespero!

DESEJO,
QUE VOCÊ TENHA A QUEM AMAR
E QUANDO ESTIVER BEM CANSADO
QUE AINDA EXISTA AMOR PRA RECOMEÇAR...

Eu te desejo muitos amigos
Mas que em um, você possa confiar
E que tenha até inimigos
Pra você não deixar de duvidar.

Eu desejo, que você ganhe dinheiro
Pois é preciso viver também
E que você, diga a ele, pelo menos uma vez
Quem é mesmo o dono de quem...


Este desejo expresso na música também é o meu para sua vida, caríssimo(a) leitor(a). Tenho vivido momentos difíceis, estou muito cansado. E estou fraco também. Por isso os textos minguados... Tenho sentido uma fraqueza repentina, algo que não sei explicar, mas que me causa medo diversas vezes. De todo modo, ainda existe amor pra recomeçar. Ainda tenho um fiapo de força para ao menos, abrir os olhos e ver o alto, onde é a meta de todos nós.
Nossas batalhas não são fáceis. Cada um com sua cruz, cada um com sua história. Por isso, é importante ter em mente uma meta e ter em mente também que existe amor lá no fundo, pra recomeçar, sempre que precisarmos.
Caríssimo(a), você é a razão de ser do meu espaço. Não há sentido escrever, se não há quem leia o que se escreve. É preciso luz no fim do túnel, pra que a alma do escritor que há em cada um de nós não morra de tédio. Muitas vezes, a razão da palavra é ser o fio condutor entre o escritor solitário e seus leitores ávidos por nada mais que uma palavra. Por isso, pensando em vocês, desejo o melhor. Que vocês possam se deixar guiar pela vontade de Deus em suas vidas, vontade esta carregada de um amor infinito e pleno, que dá vontade de amar, só de saber que este amor é todo nosso.
E como diz um amigo meu, nos encontramos aí, numa melhor!

Belo (e aprazível) Horizonte, 03 de Fevereiro de 2009.

domingo, 1 de fevereiro de 2009

Depois da Derrota Vem o Choro


Por Deiber Nunes Martins

Vejo na internet que o tenista espanhol Rafael Nadal venceu o primeiro Grand Slam do ano - o aberto da Austrália. Ao final do jogo, no pódio, Federer não conseguiu se segurar e disse: "No primeiro momento, você fica desapontado, aí você fica chocado, fica triste, então vem tudo junto de repente e esgota você(...)O problema é que você não pode ir para o vestiário e apenas levar na boa e tomar uma ducha fria. Você fica lá lembrando de tudo. É o pior sentimento. É duro".
Embora ache justa a derrota de Federer, pois Nadal está num momento bem melhor, me compadeço com o jogador suiço. Estou sensibilizado com o que ele viveu e está vivendo por uma razão muito simples: a necessidade que temos de vitória. Precisamos sempre vencer, pra sermos reconhecidos, não importam as condições, não importa o que já fizemos, não importam as vitórias passadas, vencer é coisa de agora.
Vencer e vencer. O que me impressiona nisso tudo, é que a cada dia mais formamos as crianças com esta finalidade. Outro dia tava vendo de tabela um reality show pra crianças, onde o que importava era um vencedor entre dez outros. Ser vencedor é o que há. As meninas não ligam pra perdedores e fracassados, ligam pra quem vence, pra quem é o melhor.
Mas, o que é ser o melhor?
Será que é somente ser o vencedor? Será que precisamos sempre pra sermos melhores, vencer? O que Federer sentiu é que infelizmente, ninguém se importa se ele já ganhou quase mais Grand Slam's que Pete Sampras, se ele tem a melhor técnica ou é o melhor jogador que o tênis já viu desde de John Mc Enroe ou Bjorn Borg. Na verdade, ninguém se importa. Importa se você é o melhor no momento, se você é o vencedor. Isto é o que importa.
Mas é muito triste, porque aos poucos, nos alienamos. Aos poucos viramos escravos do sistema. Sistema de vencedores. Vencedores que destróem vencidos. Empresas vencedoras são aquelas mais eficientes que as outras. Vivemos este pecado, o pecado da exclusão do primeiro lugar. É ele que importa e nada mais. Daí, as pessoas são treinadas para atitudes inexcrupulosas. Empresas maqueiam balanços financeiros, competidores são pegos se dopando, e tudo o mais. Porque somos o produto do meio, o produto do mundo. O vencedor nada mais é que o produto da mídia. Aquele que mostra com quem Deus está.
Vejo Federer chorar em frente as câmeras e fico imaginando: será que algúem se importa com o seu segundo lugar? Será que é importante? O que será de nossas crianças, alienadas com este mundo egoísta e excludente, onde só o vencedor importa e o resto é resto, é fracasso, é derrota.
Em tempos difíceis para o Glorioso Atlético, o nosso Galo aqui das Gerais, são poucos os garotinhos que querem torcer com a gente. Querem torcer pros refrigerados, pro São Paulo, ou pro Manchester United. Porque o mundo é dos vencedores. E o amor também, é dos vencedores.
Amanhã, após a primeira batalha da semana, talvez venha uma derrota. E talvez com ela, venha também o choro. Mas, amigo(a), Deus te ama. Vencedor ou perdedor, Deus te ama e não pode desdizer. E ama você também, Federer.

Belo Horizonte, 01 de Fevereiro de 2009.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Vai Ter de Ser do Meu Jeito


Por Deiber Nunes Martins

Por vezes fui do jeito dela
Mas não era pra dar certo
Hoje tem de ser do meu jeito
Eu vou lá erro ou acerto.
´
É assim que me sinto bem
Sendo dono de mim mesmo
Por dentro e por fora da milha
Andando a atirando a esmo.

Ela nunca soube o porquê
Também nunca interessa
Por que agora reclamar?
Do Céu eu tenho pressa.

E quando preciso ser eu mesmo
Ela diz que não me entende
Mas não estou errado, eu sei
Minha vida só de mim depende.

Vai ter de ser do meu jeito
É assim que é e vai ser
Se você ver algum defeito
Imperfeito sou, me deixe fazer!

Ela me diz que sou presunçoso
Que penso saber o tudo que não sei
Ela se esquece que não me conhece
Que mesmo vassalo, eu sou rei.

Vai ser do meu jeito
Do meu jeito é que vai ser
Se você vê algum defeito
Errado estou, me deixa aprender.

Vai ter de ser do meu jeito
É assim que é e vai ser
Se você vê algum defeito,
Imperfeito sou, me deixe fazer!

Belo Horizonte, 22 de janeiro de 2009

Eu sou Eu


Por Deiber Nunes Martins

Quem é o Deiber? Por ele mesmo.
Bom, fui pego de surpresa hoje com esta pergunta feita por uma amiga. "Quem é o Deiber?", perguntou ela, assim na lata. Coisa complicada de responder. "Eu sou eu, ora.", respondi pensativo. E pensativo estou até agora...
O Deiber tem vontade própria. Não se prende a conveniências, a frescuras e detalhes. O Deiber é composto de sentimentos, desejos que nem sempre se concretizam, mas que estão ali, batendo a porta, não deixando ser esquecidos. São desejos de um bem querer que não passa, um amor que lateja no peito a vontade de acontecer.
Sou também um misto de hoje com ontem no afã do amanhã. Não tenho como voltar no tempo pra pegar o que foi bom e apagar o que foi ruim, então preciso viver o hoje. Consciente de um passado que precisa estar delineado no álbum de fotografias, eu vejo o dia de hoje como o momento possível de fazer a diferença. Mesmo que nem sempre eu ouse fazer. Mas não custa tentar...
Quem é o Deiber? Eu sou eu. Sou eu naquilo que preciso ser, naquilo que preciso viver. Não posso fazer o caminho do outro, deixando o meu de lado. É preciso mais, é preciso ser autêntico. O Deiber muitas vezes percebe que precisa partir pra luta porque precisa ser respeitado. E ele luta. Ele mata ou morre por respeito.
O Deiber é ele mesmo. Pena que por vezes, muitas vezes, ele não seja compreendido. Mesmo assim, não deixa de ser quem é.

Belo Horizonte, 22 de janeiro de 2009.

sábado, 17 de janeiro de 2009

Meu Magnificat

Por Deiber Nunes Martins

A minha alma glorifica o Senhor
E meu espírito rejubila em Deus por seu amor.
Porque manifesta sua bondade a todos nós
Sem se esquecer dos teus filhos.
O Senhor não para em minhas misérias
Vai além com sua misericórdia
Acalenta meu sonho e minha espera
Transforma meu pranto em alegria.
Ele derruba do trono os poderosos
E eleva os humildes.
O Senhor é minha luz e salvação
De quem eu terei medo?
O Senhor vem com teus anjos pra me salvar
O Senhor vem com teus anjos pra me curar
Lava meu coração com Teu Amor
Lava meu ser com Tua Água Viva
Faz-me forte e fiel, para o trabalho
Que de mim, quer precisar.
O amor de minha vida é o Senhor Deus
Nele, eu posso confiar
E por Ele, eu quero viver
Pra transbordar seu amor por todo canto
E cantar louvores a ti, meu Deus e Senhor
Por todo o sempre, por toda a eternidade.

Belo Horizonte, 17 de janeiro de 2008.

quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

COPYRIGHT

Os direitos autorais são protegidos pela Lei nº 9.610/98 e sua violação constitui crime.
Ao copiar os textos atribua os créditos.