quinta-feira, 27 de dezembro de 2007

O Jardineiro

Texto de Rabindranath Tagore

SERVO: Tem piedade deste humilde servo, amada rainha!
RAINHA: A audiência terminou, e meus servos todos já se foram. Por que vieste assim tarde?
SERVO: Minha hora chega quando terminas de atender os outros. Venho te perguntar o que restou para teu último servo.
RAINHA: E o que esperas, assim tão tarde?
SERVO: Torna-me o jardineiro do teu jardim...
RAINHA: Como? Ficaste louco?
SERVO: Não... Eu deixarei todas as outras coisas. Deporei a espada e a lança no chão. Não me mandes a cortes distantes, nem me peças novas conquistas. Torna-me o jardineiro de teu jardim...
RAINHA: E o que farias?
SERVO: Eu te serviria em teus dias ociosos. Manteria verde a grama do caminho por onde andas de manhã, e a cada passo teus pés seriam abençoados pelas flores que anseiam morrer. Eu te embalaria no balanço preso aos galhos do saptaparna, e a lua do anoitecer se esforçaria para beijar tua roupa voando entre as folhas. Renovaria a lamparina de teu quarto com óleo perfumado, e enfeitaria o estrado de teu trono com figuras de sândalo e açafrão...
RAINHA: E o que desejas como pagamento?
SERVO: Que me deixes tomar nas mãos o botão de lótus de teus punhos e enlaçar teus pulsos com pulseiras de flores; que me deixes pintar seus pés com suco das flores de ashoka (1) e sugar com meus beijos o pó que neles por acaso se apegar...
RAINHA: Está bem, meu servo! Teu desejo foi atendido. De agora em diante, és o jardineiro de meu jardim...


_______
(1) Ashoka - (sânscrito)= ausência de sofrimento.

Um comentário:

Barbara disse...

My dear,

um bom jardineiro é aquele que faz seu oficil com alegria...
Orquidea é sua..Deus está lhe dando para cuidar.
Tu te tornas eternamente responsavel por aquli que cativas.
Bj,Bá