segunda-feira, 5 de julho de 2010

O Encontro com Jesus Cristo



Por Deiber Nunes Martins
Texto de José Luiz Gonzaga do Prado, in “Catequese Bíblico-Missionária” no jornal Deus Conosco, Semanário Litúrgico de 20.06.2010

A Realidade
Certa vez, perguntei a uma pessoa simples do nosso interior, adulto sem a Primeira Comunhão, se já tinha ouvido falar em Jesus Cristo. Respondeu:
- Umas duas vezes por ano mais ou menos. Mas eu sou muito devoto de Nossa Senhora Aparecida.
Muitas vezes o ex-católico que se tornou crente costuma dizer que “encontrou Jesus Cristo”. Que significa isso? Na Igreja Católica certamente nada sabia dele. Ou não?
Mas, mesmo em nossos meios mais “esclarecidos”, o que é que se costuma dizer ou pensar de Jesus Cristo? É um poderoso curandeiro? É um poderoso total, capaz de resolver todos os meus problemas? Ele nos salva com seu poder, sua força? Ou com sua fraqueza e humilhação, assumidas com coerência?

O Mistério
Às crianças que iam fazer sua Primeira Comunhão eu explicava o significado do gesto de Jesus na última ceia: entregou um pedaço do pão para cada, dizendo que aquele pão era seu corpo, era ele. Perguntava, em seguida: “Vocês têm coragem de deixar-lhes tirar pedaços?” Seus rostinhos todos diziam que não. Eu questionava: “Por que, então, vocês querem comungar?” Ficava no ar certo impasse. Um dia um menino respondeu-me: “Por isso mesmo!”
Estava totalmente certo. Anunciamos a morte do Senhor e proclamamos a sua ressurreição não por outro motivo que não seja buscar nele a força de fazermos o mesmo que ele fez naquela ceia derradeira: entregar a vida para que todos tenham vida.

O texto acima nos remete ao desconhecimento que temos de Jesus. É no mínimo ousado aquele(a) que diz: “eu conheço o Senhor” ou “eu encontrei o Senhor”. Tais frases me soam mais como um brado pessoal dizendo ao mundo: “eu mudei de vida” ou “eu adquiri novos hábitos e novas crenças” do que o que de fato, quer dizer. Encontrar a Cristo para mim, é o que o ocorrido com Pedro e Paulo. O primeiro, quando avistou o olhar de Jesus, logo após negá-lo pela terceira vez. E o segundo, após cair do cavalo, no caminho para Damasco. O primeiro, arrependeu amargamente do erro cometido e buscou no Cristo o perdão por todas as suas falhas, não só de forma retórica mas em atitudes concretas, que o fizeram ser a pedra da Igreja. O segundo, após deparar-se com Jesus, a quem perseguia de modo implacável, ficou cego, recuperando a visão por intermédio de Ananias que também o batizou, para que pudesse, então, seguir uma nova missão: evangelizar.
Quem encontra de fato com o Cristo, o transmite em gestos e palavras. Por isso, não ouso dizer que já tive meu encontro com o Mestre. Em minha vida, em minhas virtudes e também em meus pecados, busco por este encontro. Anseio pelo olhar de Jesus, não por merecimento, mas por sua infinita bondade.

Hoje, é a Missa de Sétimo Dia do Padre Uyara. Confesso que o conheci pouco, mas sempre o admirei por sua simpatia e pelo carinho que tinha com nossa Comunidade da Paróquia Santo Antônio, em Venda Nova. Recordo-me com nostalgia das missas de sábado à noite, quando ele nos dava a Bênção do Santíssimo. Era um momento de muita emoção para todos ali. Momento este, transferido para as noites de terça, quando na Missa dos Enfermos, ele passeava com Jesus Sacramentado pelos corredores da Igreja. Depois, como a saúde já não o permitia, ele ficava sentado a frente do altar, com o Santíssimo exposto, adorando ao Nosso Deus e apertando a mão de cada um que se aproximava.
Padre Uyara, que o mesmo Senhor que tu sempre adoraste, te receba na Glória Celeste de braços abertos. E que Deus o receba como nosso intercessor, para que rezes por nós. Tenho certeza de tiveste teu encontro com o Senhor ainda em vida e por isso, peço a Ele que o receba com todo carinho.
Padre Uyara, meu abraço saudoso!

Belo Horizonte, 05 de Julho de 2010.

6 comentários:

Andressa Rodrigues disse...

curti isso, muito bom o texto!

maybe disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
MARNUNEFREI disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
maria disse...

ELE chegou a mim quando parei...
Quando o viver se torna CRISTO e o morrer é como um prêmio, já não se encontra razões para lutas. A vida passa!!! Consegue-se contemplar mais do que o visível, mais do que o palpável. Vive-se a certeza da ETERNIDADE, onde não existe “quereres”. São eles que fazem o sofrer do homem que vê a necessidade de supri-los.

maria disse...

Já falei muito de mim para que conhecessem minhas vontades... ...não tirei disso vantagens! Hoje para saber sobre mim é preciso que conheçam JESUS... ...continuo na desvantagem diante do ser humano! Mas sei que no Céu tenho um TESOURO!!!
Comungar não é apenas receber a Hóstia Consagrada, mas deixar-se invadir pelo mesmo desejo que levou JESUS à Cruz.

SAZON KAIDAMOTO disse...

Olá amigo, gostaria de esclarecer a luz da bíblia, que 'Conhecer a Deus', termo usual entre os cristãos evangélicos ou protestantes ou crentes, como queiram descrever, significa que a aquele cristão teve um encontro pessoal com Deus, e assim o conheceu, e isto se passa quando o cristão é batizado com o Espírito Santo. Tal batismo, como o Apóstolo Paulo bem deixa claro nos versículos reproduzidos abaixo, não é o batismo nas águas, conhecido também como batismo de João (Batista), e sim o Batismo que é realizado pelo próprio Senhor Jesus. Verifique nas escrituras que quem batiza com o Espirito Santo é o próprio Senhor Jesus. Quando se é batizado no Espírito Santo, tal experiência transforma a criatura, e isto é pessoal. Peça ao Senhor para Conhecê-lo e ele vai se fazer deixar conhecer, bastando ser de todo coração sua vontade de conhecê-lo.

Fique com Deus!

ATOS 19
Paulo em Éfeso
1Enquanto Apolo estava na cidade de Corinto, Paulo viajou pelo interior da província da Ásia e chegou a Éfeso. Ali encontrou alguns cristãos 2e perguntou:
– Quando vocês creram, vocês receberam o Espírito Santo?
Eles responderam:
– Nós nem mesmo sabíamos que existe o Espírito Santo.
3– Então que tipo de batismo vocês receberam? – perguntou Paulo.
– O batismo de João Batista! – responderam.
4Então Paulo disse:
– João batizava aqueles que se arrependiam dos seus pecados. E também dizia ao povo de Israel que eles deviam crer naquele que havia de vir depois dele, isto é, em Jesus.
5Depois de ouvirem isso, aqueles homens foram batizados em nome do Senhor Jesus. 6Aí Paulo pôs as mãos sobre eles, e o Espírito Santo veio sobre eles. Então começaram a falar em línguas estranhas e a anunciar também a mensagem de Deus. 7Esses homens eram mais ou menos doze.